Santos não libera e vai enquadrar Robinho

O Santos manteve hoje sua posição em relação a negociar já o atacante Robinho com o Real Madrid: o atleta somente será liberado depois da Copa do Mundo de 2006, "uma vez que ele está incluído no planejamento para os próximos campeonatos". Em nota oficial, o presidente Marcelo Teixeira deixou isso mais uma vez claro, ao mesmo tempo em que espera a apresentação do jogador ao treino de amanhã, previsto para as 16 horas. Mais: informou que, "com relação às seguidas ausências do atleta em seus compromissos no clube, a diretoria determinou o cumprimento do regimento disciplinar do clube". Marcelo Teixeira não respondeu diretamente a informação passada por Robinho na entrevista coletiva concedida em um hotel da Capital hoje pela manhã, de que havia a promessa de liberação depois da Libertadores caso houvesse uma proposta que desse US$ 10 milhões livres ao clube. "Tudo que foi prometido a Robinho consta em seu contrato em vigência". O presidente santista destacou que conhece o caráter de Robinho e acredita "que ele esteja mal orientado por pessoas que tenham interesse financeiro na conclusão da negociação". Ele não citou nomes, mas se refere ao empresário Wagner Ribeiro. E concluiu: "Robinho sabe que o Santos é o clube que o projetou para o futebol mundial e dá totais condições para ele desenvolver o seu trabalho. Com certeza, ele saberá valorizar o apoio e se conscientizará para cumprir o que foi planejado pelo clube".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.