Santos: Nelsinho escala três volantes

O Santos não pode perder o clássico contra o Corinthians, às 20h30 desta quinta-feira na Vila Belmiro e Nelsinho Baptista resolveu mudar o time, que contará com três volantes e uma nova dupla de atacantes: Giovanni e Cláudio Pitbull. Ele vai exigir também maior participação ofensiva dos laterais e chamou novamente Paulo César para o jogo, ele que havia ficado de fora na partida contra o Juventude para recuperação física e técnica. Ricardinho, que estava com a seleção em Belém, deverá chegar de madrugada a Santos e tem escalação garantida.Mas o Santos não joga só pelos três pontos que poderão mantê-lo na disputa do título e alimentar o tabu que vem desde o inicio de 2002: em onze jogos contra o Corinthians, os santistas venceram nove e empataram dois. Nelsinho Baptista não leva muito em conta o passado e sabe que uma vitória no clássico pode dar novo ânimo aos jogadores na busca do título, que, admite, ficou mais difícil depois da derrota para o Juventude.Nelsinho Baptista não quer ver seus jogadores desmotivados por conta da anulação do clássico anterior em conseqüência do escândalo da máfia do apito. "São jogos de grande público, muita mídia e são vitrine. Por isso, o jogador encontra uma motivação maior nos clássicos regionais pela rivalidade que há entre os times".O treinador analisou muito os três jogos do Santos sob seu comando e resolveu mexer. Com a recuperação de Zé Elias, vai escalar o time com três volantes, colocando também Fabinho e Heleno. No esquema treinado durante a semana, Zé Elias e Fabinho cuidarão da marcação, mas poderão ajudar o time na armação de jogadas de ataque, ao lado de Ricardinho.Conversou bastante com os laterais Paulo César e Kleber e exigiu o apoio ao ataque, ao mesmo tempo em que pretende uma saída mais rápida da bola do meio-de-campo para o ataque. Na frente, a nova dupla será Giovanni e Cláudio Pitbull e Luizão poderá entrar no segundo tempo."Criamos nova opção para esse clássico", explicou o treinador, que não ficou satisfeito com as três partidas disputadas sob seu comando."O Santos pode e deve render mais", comentou. "Penso que faltou uma posse maior de bola e velocidade ao nosso sistema ofensivo. Tanto o Cláudio quanto o Luizão não produziram ainda o que podem e, dentro das opções criadas, vamos tentar definir dentro daquilo que a gente sente que pode ser produzido".ARRANCADA - Depois do clássico de amanhã, o Santos enfrentará o Goiás, outro candidato ao título, e o grupo pretende uma vitória sobre o Corinthians para aumentar a motivação. "Teremos doze decisões e vamos trabalhar jogo por jogo, sabendo que cada vitória motivará mais o time", disse o volante Zé Elias, que volta ao time depois de ter se recuperado de contusão.Os santistas sabem que não podem perder, pois aí o Corinthians abriria 14 pontos de diferença, impossíveis de serem tirados nas onze partidas que restarão. Independente dessa pressão, Zé Elias espera um clássico de gols. "Vai ser um grande clássico pelo bom momento do Corinthians e pelo estado que nos encontramos. Precisamos da vitória e os dois times vão jogar para a frente. Não acredito que seja jogo de zero a zero".O que revoltou Zé Elias foi a anulação do clássico anterior, em que o Santos ganhou por 4 a 2. Ele acha que o escândalo da máfia do apito comprometeu o campeonato que está sendo disputado. "Esse campeonato já perdeu todo o crédito e todo o brilho, independente do esforço dos jogadores para que seja bonito até o final", disse o volante. "Hoje temos o direito de duvidar de todas as pessoas, não confiar em ninguém.Quem garante que o juiz entra em campo e não está fazendo a mesma coisa? Quem garante que um diretor não está acertando jogos?"Zé Elias acredita que a confiança foi perdida. "Infelizmente, para o futebol e para as pessoas que vão ao estádio, fazem vaquinha ara comprar ingresso são as pessoas que mais perdem com isso".

Agencia Estado,

12 de outubro de 2005 | 19h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.