Santos parte para contratação de França

França é o centroavante que Vanderlei Luxemburgo quer para o novo Santos e pode ser apresentado no dia 2 de janeiro, com o goleiro Fábio Costa, contratado junto ao Corinthians, e o volante chileno Maldonado, ex-genro do técnico santista e que não acertou a renovação de contrato com o Cruzeiro-MG. O atacante de 29 anos foi para o Kashima Hitachi, do Japão, em agosto e até agora só jogou uma vez. Logo que chegou, sofreu uma distensão muscular e ficou um mês em tratamento médico em São Paulo. Além de o time ter caído para a segunda divisão, França está descontente porque não vem sendo aproveitado. Seu contrato vai até o final de 2007."França quer voltar e, se voltar, com certeza vai jogar no Santos", disse o empresário Vagner Ribeiro, procurador de França, nesta segunda-feira à tarde.Embora ressalte que o salário do jogador no Japão é muito alto para a realidade brasileira - especula-se que ganharia em torno de US$ 150 mil por mês -, Ribeiro acredita que poderá haver uma composição para viabilizar a sua volta "Não sei se houve algum entendimento entre o Santos e o clube japonês. Eu não fui procurado por nenhum dirigente, mas sei do interesse."As negociações devem evoluir no final de semana, quando Ribeiro vai se encontrar com Luxemburgo, em Punta del Este, no Uruguai, onde o técnico passa as festas de fim de ano com família. Reinaldo, do Paris Saint-Germain (ex-São Paulo), e Marcel (Acadêmica de Coimbra, Portugal) são os nomes cogitados para o ataque, caso não haja acerto com França.Se ainda havia dúvida se Ricardinho iria ou não continuar no Santos em 2006, a resposta foi dada nesta segunda-feira pelo próprio jogador, não comparecendo à reapresentação do elenco, apesar de ter contrato até o dia 31 de dezembro. A última palavra do clube sobre o meia foi a do vice-presidente Norberto Moreira da Silva, no final de semana. "Acho que ainda há uma grande possibilidade de Ricardinho permanecer no Santos. Fizemos uma segunda proposta e ele ficou de responder."Mas a realidade é outra. Luxemburgo já teria até escolhido o novo armador, cujo nome é mantido em segredo para evitar que algum clube atravesse as negociações. Com a saída de Ricardinho e de outros 16 jogadores que não estavam nos planos para a temporada de 2006, o Santos vai reduzir consideravelmente a folha de pagamento do futebol, tornando possível o investimento em soluções, como o caso de Fábio Costa - custou R$ 900 mil de luvas (pagamento antecipado) e vai receber R$ 150 mil, por um contrato de três anos, Maldonado (quer vender 50% dos seus direitos federativos por US$ 1,5 milhão) e França. Com esses reforços, Luxemburgo teria a espinha dorsal do novo Santos, um time para ganhar o Campeonato Paulista e lutar pelo menos por uma vaga para a Copa Libertadores de 2007.APRESENTAÇÃO - A temporada de 2006 começou nesta segunda-feira à tarde para os 20 jogadores que restaram do grupo que disputou o Campeonato Brasileiro e mais o lateral-direito Neto, contratado do Paraná, que ainda não foi oficialmente apresentado à imprensa mas já fez testes físicos e correu em campo com os novos companheiros, sob a orientação do novo preparador físico, Antônio Mello.Os médicos Joaquim Grava e Carlos Braga foram os únicos a dar entrevista nesta segunda à tarde. Grava falou sobre a troca do Corinthians, onde trabalhou por 25 anos, pelo Santos, dizendo que foi uma decisão profissional e mostrou entusiasmo com a estrutura que encontrou no novo Centro de Treinamentos Rei Pelé. "É a mais moderna do País, superando o Refis do São Paulo, e só perdendo para o do Cruzeiro-MG, em tamanho."Grava confirmou que o fisioterapeuta Luís Rosan está sendo contratado e que os três vão fazer uma programação especial para manter Luizão (o jogador de pior desempenho na corrida em volta dos campos do CT, nesta segunda à tarde) e Giovanni em atividade, sem problemas físicos. "Clinicamente, Luizão não tem problema. Só que ele precisa constantemente de um trabalho de fisioterapia e de preparação física, que faltou no Santos neste ano, para se manter em atividade", concluiu Grava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.