Santos pega União de olho no São Paulo

O Santos pretende se agarrar às últimas esperanças de disputar o título do Campeonato Paulista no jogo desta quinta-feira, às 20h30, contra o União São João, no Estádio Hermínio Ometto, em Araras. O técnico Gallo e os jogadores admitem que a situação do time é difícil, pois para que ele continue na luta pelo primeiro lugar é preciso vencer e torcer por um tropeço do São Paulo contra a Portuguesa. Mas a ordem é ninguém jogar a toalha antes da hora, até porque se a combinação de resultados acontecer, a próxima partida será um confronto direto entre as duas equipes. "Quanto ao jogo, existe uma chance (de conquistar o Paulista) e se existe chance a gente tem de brigar sempre", afirma Gallo sobre o confronto contra o União.Segundo o treinador, não há espaço para acomodação da equipe, mesmo em situação adversa. "Jogar no Santos é razão suficiente para qualquer jogador se motivar", disse o técnico após treinamento em Atibaia, onde a equipe está concentrada. O técnico faz mistério na escalação e deixou aberta não só a possibilidade de o atacante Robinho e o meia Ricardinho - que serviram à seleção - jogarem, como também a chance de atletas recém-recuperados de contusão - como os volantes Fabinho e Zé Elias (ambos curados de cirurgia no joelho direito), e o lateral Paulo César (que superou uma lesão muscular na coxa direita) - serem aproveitados.Certa, apenas a ausência do lateral Léo e do meia Tcheco. Léo voltou aos treinos nesta quarta-feira, depois de 15 dias afastado por causa de um problema de pedra no rim. "A pedra está na entrada da bexiga e a dor não incomoda mais. Agora a idéia é que eu possa voltar ao time na semana que vem, quando vamos ter jogo pela Libertadores.", explicou o lateral, dizendo que não teria a menor condição física de enfrentar o União.Tcheco sofreu um estiramento muscular na coxa esquerda e ainda está em tratamento. Apesar da posição para lá de modesta do União - o time de Araras soma 16 pontos contra 31 do Santos - Gallo prega humildade contra o adversário. "É uma equipe difícil que sempre complica", avalia o treinador. Questionado se torcia por uma vitória de sua equipe anterior, a Portuguesa, contra o São Paulo, o técnico evitou polemizar, mas garantiu que o time do Canindé tem elenco suficiente para tirar a invencibilidade do adversário. "Eu penso primeiro no Santos. Quanto à Portuguesa, torço para que eles saiam da situação difícil em que se encontram e espero que sejam muito felizes."Motivação - Se para a maioria dos jogadores do Santos encontrar motivação para jogar está difícil, o mesmo não acontece com o atacante Deivid, que amanhã completa 300 jogos na equipe e não esconde a expectativa de uma transferência para o exterior no segundo semestre. "Na minha cabeça, ainda estou na luta pela artilharia do campeonato. Tenho mais jogos pela frente e faltam quatro gols", diz o jogador, que tem 10 marcados contra 14 de Finazzi, do América. Quanto ao Paulista, o atacante admite que a situação do Santos é difícil. "Mas quero ver se o São Paulo perder e a gente ganhar....", diz esperançoso.Mesmo motivado para o jogo contra o União, o atacante não escondeu seu descontentamento com o comportamento da torcida santista na Vila Belmiro. "Às vezes o jogo está 0 a 0 nos primeiros 15 minutos e a torcida já começa a vaiar. Logo agora, que estamos em maiores dificuldades, esperávamos mais apoio por parte dela", desabafou Deivid.Gallo tranqüilizou àqueles que esperam que os próximos jogos do Santos no Paulista sirvam para elaborar uma futura lista de dispensa no fim da competição e da participação do Santos na Copa Libertadores da América.O treinador afirmou que o tempo em que trabalhou no clube como assistente de Vanderlei Luxemburgo foi suficiente para que pudesse fazer uma análise do grupo. "Acho que o elenco é bom e capaz de suprir as necessidades do time nas competições que irá disputar, mas é claro que é bom reforçar o time sempre que possível", disse o técnico. Segundo ele, os dirigentes já estão em contato com atletas que poderiam vir a integrar o time. "Mas acho que contratações, só no próximo semestre."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.