Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC
Imagem Robson Morelli
Colunista
Robson Morelli
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Santos perde para o Palmeiras na Vila, mas deixa boa impressão sob o comando de Bustos

Time praiano teve chances de gols e reclama da arbitragem, principalmente no lance de pênalti que Raphael Veiga perdeu

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2022 | 19h19

O Santos amargou mais uma derrota no Brasileirão, a primeira na Vila Belmiro. Em casa, viu o Palmeiras perder pênalti com quem não perdia, Raphael Veiga, e marcar no segundo tempo para manter um tabu e subir na tabela. Há quem diga que perder para o Palmeiras, embalado, com sete vitórias seguidas, é normal. Nunca é. A boa notícia foi ver um Santos forte, perigoso e com condições de encarar um dos melhores do Brasil de peito aberto. Diante de sua torcida, o time praiano fez bonito e poderia ter vencido não fossem as soluções encontradas pelo visitante de martelar até ganhar pelo placar simples de 1 a 0.

O Santos perdeu, mas teve muitos méritos no clássico. Foi jogo bem jogado e bastante disputado, com gols anulados e reclamações por parte dos santistas. No lance do pênalti dado ao Palmeiras em jogada de Marcos Rocha, houve empurrão pelas costas e não disputa ombro com ombro, apesar de os jogadores da casa não terem tido essa leitura. Vão se convencer depois com as imagens. O Santos perdeu gols, é verdade, mas criou o tempo todo. Teve até mais volume do que o Palmeiras. Isso é ótimo.

O time melhorou muito com o trabalho de Bustos. Ele ainda precisa de mais tempo, claro, e de alguns jogadores, embora o elenco venha respondendo bem e os garotos do ataque entenderam que eles têm uma oportunidade na temporada e estão fazendo valer a camisa que vestem. Estão crescendo individualmente com o time. Fica então a boa impressão deixada na Vila Belmiro. Os números não são tão bons assim, não vence no Brasileirão há três rodadas e não bate o Palmeiras desde 2019.

O Palmeiras não fez uma partida brilhante nem tomou conta do jogo, como costuma fazer. Foi eficiente e se propôs a jogar durante os 90 minutos, criando e correndo atrás do rival. Teve trocação. Bem treinado, o time sabe assimilar as situações de jogo, quando está ganhando ou quando precisa ganhar, quando as coisas dão certo e também quando elas não dão. Mentalmente, é uma equipe muito bem resolvida. Isso faz diferença.

Raphael Veiga mandou um pênalti na trave, depois de emplacar 24 cobranças ser errar. Vinha sendo pressionado e agora tira das costas um fardo que não deveria carregar. Faltou Abel Ferreira à beira do gramado, mas o treinador português, que não se emenda, teve de pagar suspensão por reclamação. Ele ensina tanto e não aprende muito. Prometeu se controlar, mas ainda prejudica o time com suas ausências.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.