Robson Fernandjes/AE
Robson Fernandjes/AE

Santos promete retaliar Corinthians por ingressos

Vice-presidente Norberto Moreira fica indignado após torcida do clube receber carga de apenas 2 mil entradas

Sanches Filho, Agencia Estado

17 de março de 2009 | 18h15

SANTOS - O Santos aceitou sob protesto a decisão do Corinthians de determinar o setor lilás do Estádio do Pacaembu e destinar apenas 2 mil ingressos aos seus torcedores santistas para o clássico de domingo. O vice-presidente Norberto Moreira disse que o clube lutou até onde foi possível, mas não obteve sucesso. O Santos promete brigar pela Vila Belmiro se passar às semifinais do Campeonato Paulista e futuramente reduzir a carga de ingressos para os adversários.

Veja também:

linkMano Menezes diz que Ronaldo pode jogar 90 minutos

linkCorinthians não fará marcação individual sobre Neymar

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Não tivemos outra alternativa porque a Polícia Militar enviou ofício à FPF informando que por questões de segurança só poderão ser vendidos 2 mil ingressos do setor lilás. Queríamos que a nossa torcida ficasse no tobogã, como em outros clássicos, mas o Corinthians não concordou. Aceitamos a decisão, mas a recíproca vai ser verdadeira", avisou o dirigente.

De acordo com Moreira da Silva, prevaleceu a vontade do Corinthians porque o regulamento do Campeonato Paulista não determina a carga de ingressos a ser destinada ao clube visitante. "Como advogado entendo que diante disso deveria prevalecer o Regulamento Geral das Competições da CBF, que manda que sejam destinados 10% dos ingressos à torcida visitante."

Ele também se queixa do comportamento dos dirigentes corintianos no episódio. "Esperava uma postura diferente do Andrés Sanches. Ficamos admirados por eles tomaram a medida sem fazer nenhum contato conosco. Olhei o regulamento e a lei e vi que eles tem direito de fazer isso. Pleiteamos os 10%, mas não foi possível. Só nos resta respeitar e obedecer as decisões da PM", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.