Santos quer a vitória em casa para encostar nos líderes

O Santos de Leandrinho, Alan Santos, Neilton e do treinador interino Claudinei Oliveira quer repetir a boa atuação da goleada de 4 a 1 contra a Portuguesa, neste domingo, às 16 horas, diante do Coritiba, na Vila Belmiro, para chegar à quarta vitória seguida e derrubar o último invicto do Campeonato Brasileiro. Se somar os três pontos no jogo pela oitava rodada, o vice-campeão paulista poderá entrar pela primeira vez no G4.

SANCHES FILHO, Agência Estado

21 de julho de 2013 | 07h34

O clima entre os santistas é de total confiança pelo bom momento vivido pela equipe que mescla a experiência de Aranha, Edu Dracena, Durval e Léo (Arouca continua fora em razão do edema na coxa esquerda) com a nova geração de jogadores promissores. Outra vantagem é que o jogo será na Vila Belmiro, onde o Santos raramente perde. A sua última derrota em casa foi diante do Bahia, em agosto do ano passado, pelo Brasileirão.

"O Santos na Vila Belmiro sempre é forte, assim como o Coritiba no Couto Pereira. É equipe muito bem preparada por Marquinhos Santos. Começamos juntos e ele tem trajetória parecida com a minha. O importante é o time jogar bem, porque jogando bem fica mais perto da vitória, embora nem sempre o que joga melhor vence", disse Claudinei Oliveira.

Principal responsável pela reação do Santos no Brasileirão, Claudinei Oliveira foi promovido de técnico do sub-20 para auxiliar técnico da comissão técnica profissional e recebeu um reajuste salarial. Diante da pergunta se ele tem esperança de ser fixado como treinador do time principal, diz que se sente integrado no clube.

"Como técnico, tenho que fazer o que estou fazendo. Ganhando o meu espaço no dia a dia, mostrando trabalho de qualidade, e fazer com que a equipe jogue bem, mas me sentir fixo não depende de mim. Tem de perguntar para a direção, mas estou bem tranquilo, me sinto à vontade. Ser interino não me incomoda, quem for ver as notícias sobre mim vai pensar que meu nome é "interino Claudinei" porque colocam sempre lá meu nome como interino, ainda bem que vocês colocam em minúsculo", brincou.

O Santos ficou estacionado nos últimos lugares da tabela de classificação nas quatro primeiras rodadas, acumulando duas derrotas e dois empates, e já aparecia como candidato ao rebaixamento para a Série B de 2014. Era um time desorganizado e abalado em consequência da venda de Neymar ao Barcelona. Muricy Ramalho, o técnico que levou o clube à conquista da terceira Copa Libertadores de sua história, a única sem a presença de Pelé, de dois Campeonatos Paulistas e de uma Recopa Sul-Americana, foi demitido no final de maio.

A decisão que poderia agravar a crise acabou sendo a solução inesperada para todos problemas, graças à promoção de Claudinei Oliveira. O time já mostrou nova postura já na estreia do interino no empate por 1 a 1 com o Grêmio e evoluiu ainda mais após a paralisação do Brasileirão durante a Copa das Confederações.

"O intervalo serviu para eu conhecer melhor os demais jogadores", afirmou Claudinei, que trabalha há anos com os garotos que subiram da base. "São todos jogadores comprometidos com o clube, o que torna o ambiente muito bom", disse o treinador do time que vai ficar bem mais forte quando estiver completo, com a estreia dos reforços que estão sendo contratados.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.