Santos quer a vitória nos 90 minutos

O Santos tem Doni, goleiro que defendeu 13 dos 27 pênaltis cobrados contra ele em sua carreira e Robgol, matador que só desperdiçou três dos trinta pênaltis que cobrou. Mesmo assim, os santistas querem evitar o sufoco de uma decisão com bola parada e vão para o Anacleto Campanella pensando em vencer em 90 minutos o jogo que decide um dos finalistas do Campeonato Paulista. "É esse nosso objetivo, mas se tiver que decidir nos pênaltis, estamos preparados", disse o meia Diego. Leão comentou que tem um goleiro especialista nesse tipo de jogada, mas que espera não chegar a esse tipo de decisão. "Ele tem esse handicap favorável e, se for necessário, vamos ver se ele confirma". E o centroavante Robgol concluiu: "vamos lutar para não depender disso, vencendo a partida no tempo normal".Mistério - Leão acha válido o que o mistério que Muricy Ramalho fez durante a semana, escondendo o treinamento de seu time. "Ele está certo", disse. De seu lado, também acabou escondendo sua equipe. Depois de uma semana sem coletivos, ele antecipou o treino de hoje e, quando os jornalistas, chegaram, os jogadores já estavam cobrando pênaltis. Sem definir a equipe, Leão poderá contar com todos os seus jogadores. Por conta disso, a única dúvida fica novamente com o atacante escolhido para a parceria com Robinho: ou Robgol, ou Basílio. Mas Leão já tinha o esquema tático pronto em sua cabeça e não está afastada a hipótese de começar o jogo com uma formação diferente para surpreender Muricy Ramalho. O mais provável é que Robgol seja o centroavante nessa partida e hoje o jogador estava na expectativa de ser escalado. "Nada melhor do que fazer uns golzinhos amanhã para ajudar o time a ficar com a vaga para a final do Paulista", comentou o atacante. Se precisar, ele está pronto para a cobrança de pênaltis, tarefa que é comum em sua vida, principalmente em momentos difíceis de seu time. "Faço as cobranças em decisões e nos momentos da partida e acerto muito mais do que erro. Gosto de cobrar, mas espero não precisar nesse jogo, que pretendemos vencer nos noventa minutos". Ele conta com mais uma partida difícil, como todas as que o Santos joga contra esse adversário. "Desta vez não será diferente, mas temos de conquistar essa vitória porque nosso objetivo é conquistar esse título que não vem para Santos desde 1984". Para Elano, que volta ao time depois de ficar fora duas partidas por conta de uma forte gripe, acha que o segredo para vencer o São Caetano é manter a mesma movimentação que o time teve no segundo tempo do jogo de domingo, quando o time que perdia por 2 a 0 virou o jogo e acabou cedendo o empate por 3 a 3 no final. "O São Caetano é uma equipe de muita marcação e tem grande qualidade quando sai com a bola. Por isso, temos que marcar e atacar bem". Leão chamou a atenção da defesa para corrigir os erros de posicionamento que ocorreram no jogo passado, principalmente nos lances de bola parada. Mais: quer melhor aproveitamento dos chutes a gol.Foram 34 no domingo, apenas três aproveitados. O meia Diego acredita que o jogo possa ser decidido em jogadas individuais, mas lembrou que o São Caetano também tem jogadores com essa capacidade. "O futebol não é resolvido só na técnica. É preciso unir a técnica coma dedicação tática e a garra para chegar ao objetivo". Ele espera um grande jogo hoje no Anacleto Campanella, com base nas últimas partidas disputadas pelos dois times: "há excelentes jogadores dos dois lados e só espero que o Santos se saia melhor", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.