Santos quer definir situação de Roth

O técnico Celso Roth deverá se reunir ainda esta semana com os dirigentes do Santos para tentar um acordo que o mantenha no comando da equipe para o segundo semestre. O treinador não aceitou a proposta de redução salarial formulada pela diretoria, que fixou teto de R$ 60 mil mensais para o cargo, e era aguardado em Santos no fim de semana. Uma situação de emergência - uma cirurgia em sua mulher - fez com que ele permanecesse em Porto Alegre. Com a liberação de Nelsinho Baptista e Vanderlei Luxemburgo, os santistas estão reavaliando o interesse em manter Celso Roth. Nelsinho é o eterno nome ideal para os santistas e é lembrado a cada saída de um treinador. Já Luxemburgo deixou a Vila Belmiro desgastado, por ter rompido contrato para dirigir o rival Corinthians. Ele já teve duas oportunidades para voltar e, na última, os santistas desistiram quando tudo já estava praticamente acertado, por pressão de conselheiros. Até hoje o presidente Marcelo Teixeira lamenta não ter feito essa contratação, o que reforça a posição de Luxemburgo. Roth, por outro lado, manifestou sua vontade de permanecer na Vila, desde que continuasse ganhando o mesmo que ganha atualmente - mais de R$ 100 mil por mês. Na análise de pessoas próximas ao treinador, apresenta uma grande vantagem sobre os outros dois pretendidos: conhece o elenco, trabalhou o primeiro semestre com os novatos e é o indicado para dar continuidade à política de lançamento de jovens atletas. Também não exige contratações milionárias. Os dirigentes que pensavam assim estão mudando de opinião, na medida em que a contratação de um técnico como Nelsinho e Luxemburgo é cada vez mais viável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.