Santos quer ver Robinho em Belém

O Santos confirmou hoje que Robinho jogará mesmo na quarta-feira em Belém, contra o Paysandu e só a partir daí estará liberado para se apresentar ao Real Madrid. A proximidade da saída de seu principal jogador não é, porém, a única preocupação do torcedor que já viu no mês passado o centroavante Deivid e o lateral-esquerdo Léo trocando de time. O outro motivo de apreensão é a demora na contratação de jogadores de alto nível que possam devolver a confiança na equipe. O clube tem contratado reforços desde a chegada do técnico Gallo, que ainda não conseguiu montar uma equipe estável. Tem sido obrigado a fazer constantes alterações e não consegue escalar o mesmo time em duas partidas seguidas. Com isso, tem conseguido apenas uma campanha razoável, para desespero do torcedor, que cobra a chegada de jogadores e a saída do técnico. "As pessoas só vêm o resultado e não o que acontece durante a partida e durante os trabalhos de preparação", costuma dizer o treinador. Por conta desse ambiente, a diretoria entende que o momento não é de festa. Primeiro porque resistiu muito antes de ceder à pressão do Real Madrid e do empresário Wagner Ribeiro para vender Robinho. Segundo porque está perdendo o maior ídolo depois de Pelé e dificilmente encontrará um jogador com o mesmo carisma, capaz de promover uma renovação e crescimento da torcida. "Não haverá festa, nem homenagem", disse um dirigente ligado ao presidente Marcelo Teixeira, lembrando que jogadores importantes como Renato, Diego, Elano e outros deixaram o clube sem qualquer homenagem. Mais: o Santos espera que Robinho cumpra o compromisso assumido e jogue no dia 24 contra o Paysandu, em sua última partida com a camisa santista. Isso, entretanto, pode não acontecer. Robinho está pendurado com dois cartões amarelos e, forçando ou não, pode levar o terceiro no domingo, na partida contra o Figueirense, que marcará a despedida do atleta na Vila Belmiro, onde foi consagrado. "Não tenho nada contra Belém, nem contra o Paysandu, mas gostaria de me despedir na Vila, onde fiz grandes partidas e ficarei perto dos torcedores", comentou recentemente o jogador, que emendou: "mas, se tiver que jogar lá, não tem problema, eu jogarei". REFORÇOS - Mesmo com os cofres cheios - vai receber mais de R$ 70 milhões pela venda de Robinho - o Santos está encontrando dificuldades em contratar reforços, principalmente para o ataque. O clube busca atletas no exterior e é provável que esteja esperando o fechamento das inscrições na Europa, e o conseqüente fim das negociações entre os times daquele continente para tentar a contratação de atletas que têm problemas em seus times e não foram negociados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.