Santos reage e arranca empate em casa

O atual campeão nacional estreou com um empate no Campeonato Brasileiro/2003. Neste domingo à noite na Vila Belmiro, o Santos ficou no 2 a 2 com o Paraná Clube, depois de estar perdendo por 2 a 0. Os santistas alcançaram a igualdade e só não venceram por azar. Perderam inúmeras chances, uma característica de quem cria e joga atacando.Nos primeiros minutos o jogo não empolgou. O Paraná mostrou receio e se posicionou mais atrás, não se arriscando ao ataque. O medo procedia afinal, do lado oposto estavam Robinho, Diego e Ricardo Oliveira, sinônimos de gol. As chances não demoraram a aparecer, todas, no entanto, desperdiçadas.Exatamente quando o gol santista parecia próximo, o Paraná abriu o marcador. O lateral Fabinho fez boa jogada e Renaldo aproveitou de cabeça. Os santistas mantiveram a pressão e continuaram mandando em campo. Aos 19, Alex perdeu uma chance. Aos 26, Robinho à frente do goleiro Darci chutou para fora. O empate era iminente.Mas para surpresa geral em Vila Belmiro, o time de Leão sofreu o segundo. Em rápido contra-ataque, o paranaense Marquinhos ainda driblou Michel e dividiu o lance com Paulo Almeida, que empurrou contra o próprio gol.O desastre se desenhava. A equipe de Leão não conseguia esconder o nervosismo. A torcida, descontente, reclamava. Diego, até este momento da partida completamente ausente, sofreu um pênalti que o juiz não deu.Logo depois, aos 35, Robinho diminuiu a vantagem do adversário. Com um toque sutil, ele desviou do goleiro e deu esperança à torcida. Antes de acabar o primeiro tempo, o juiz não deu outro pênalti, agora sobre Ricardo Oliveira. A gritaria foi geral e Leão não se conformou. "Mais um juiz prejudicando a gente".O Santos voltou com disposição para empatar e com o ponta Nenê em lugar do lateral Michel. A ordem era atacar. E assim foi feito, mas com o passar dos minutos e as chances desperdiçadas, o nervosismo se transformou no maior adversário santista.Até que aos 30 minutos, o Santos alcançou a igualdade: 2 a 2. André Luís lançou Nenê, que dominou e bateu com o pé direito.A torcida empurrava o time à frente. Animados, os santistas foram ao ataque buscando a virada. Um minuto depois do gol de empate, Robinho chutou forte para grande defesa de Darci.O Paraná, neste momento, sofria um massacre. Assustado, o time visitante não sabia o que fazer para conter o entusiasmo santista. Com dois jogadores a menos (Valdir e Emerson foram expulsos), os paranaenses deram graças a Deus quando o juiz apitou o final da partida. O empate foi uma injustiça para o campeão brasileiro. Ficha Técnica Santos: Fábio Costa; Michel (Nenê), André Luís (Fabiano), Alex e Leo (William); Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Ricardo Oliveira e Robinho. Técnico: Emerson Leão. Paraná: Darci; Mílton, Cristiano Ávalos, Ageu e Fabinho (César Romero); Fernando Miguel (Valdir), Goiano, Emerson e Marquinhos; Denys e Renaldo (Everton). Técnico: Cuca.Gols: Renaldo, aos 13 minutos, Marquinhos, aos 28, e Robinho, aos 35 do primeiro tempo; Nenê, aos 30 minutos do segundo tempo. Juiz: Marcos Antônio Café (DF).Cartão amarelo: Fabinho, Marquinhos, Fábio Costa, Ageu, Paulo Almeida, Leo.Cartão vermelho: Valdir e Emerson. Renda: R$ 78.980,00. Público: 8.016 pagantes. Local: Vila Belmiro, em Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.