Santos reforça elenco, mas não decola

A desclassificação do Santos nas semifinais do Campeonato Paulista, na derrota para o Corinthians, por 2 a 1, com um gol de Ricardinho aos 48 minutos do segundo tempo, foi um duro golpe para a torcida santista. Desde 1984, o clube não ganha o título estadual. A derrota custou o emprego do técnico Geninho, que foi demitido. Para o seu lugar foi contratado Cabralzinho. Era uma maneira dos dirigentes acalmarem a torcida que já lamentava a desclassificação do Santos nas semifinais do Rio-São Paulo. Sem participar da Copa Mercosul, o clube preparou-se para o Campeonato Brasileiro. A diretoria desta vez foi ousada ao contratar Marcelinho, Cléber e trazer de volta Viola. Marcelinho havia se incompatibilizado com o Corinthians e obteve a rescição do contrato na Justiça. O jogador beijou o escudo do Santos na sua apresentação como reforço do clube e falou da honra de vestir a camisa que foi suada em outros tempos por Pelé. O começo na competição nacional deu a sensação de que o Santos realmente estaria entre os classificados e com possibilidades de disputar o título. Num dos jogos mais esperados, no duelo de Marcelinho contra seus desafetos do ex-clube ? o técnico Vanderlei Luxemburgo e os jogadores Scheidt e Rogério ?, o Corinthians venceu a partida, com gols do atacante Luizão e do zagueiro Gálvan, contra. O resultado pode ter sido um dos motivos para a queda de rendimento da equipe, que não obteve a classificação. Nos últimos jogos, Marcelinho chegou a ser acusado de simular contusão, e Viola, novamente, brigou com um torcedor durante um treino no CT do Santos, como havia ocorrido na sua primeira passagem pela Vila Belmiro. Apesar de não ter ganho nenhum título, Marcelo Teixeira foi reeleito presidente do Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.