Santos se arma para romper retranca

O técnico Vanderlei Luxemburgo está tratando o jogo desta quarta-feira contra o Once Caldas, às 21h45 na Vila Bemiro, como uma grande partida de 180 minutos para conter a ansiedade de seus jogadores. Ele quer os santistas com o maior tempo de posse de bola possível e armou sua equipe para surpreender a forte marcação esperada por parte do Once Caldas com jogadas pelas pontas, aproveitando principalmente as subidas do lateral-direito Paulo César. "Primeiro temos que jogar noventa minutos e depois decidir a classificação. Se ganharmos de 1 a 0, muito bem, ficamos em vantagem. Se não der, terá o segundo jogo para garantir a classificação", disse Luxemburgo. O que ele não quer é ver seus jogadores ansiosos para decidir a classificação amanhã. "Temos de decidir em 180 minutos, senão vou ter de colocar para meus jogadores que temos decidir amanhã o jogo e se acontecer o resultado que não esperamos, aí você vai para lá perdendo". Ele assistiu aos vídeos teipes dos jogos desse adversário junto com os jogadores, na concentração. "Em Guayaquil, eles jogaram fechados, só buscando o contra-ataque, mas em casa o comportamento tático foi completamente diferente". O treinador espera o adversário jogando fortemente retrancado amanhã na Vila Belmiro e o caminho para o gol passará pelas pontas. Mas ele contará com a volta do meia Diego, completamente recuperado da contusão. Assim, Basílio volta para o banco de reservas. Essa e a única alteração na equipe. Luxemburgo está exigindo também um grande respeito ao adversário. "O Once Caldas não pediu licença a ninguém para chegar onde chegou na competição e não podemos subestimá-lo. Temos de jogar com o máximo cuidado e emprenho, pois o que eles conquistaram foi dentro de campo". Retranca - O técnico Vanderlei Luxemburgo aproveitou os treinos da semana para ensaiar jogadas e mudar o posicionamento de alguns jogadores, já dentro do espírito que pretende imprimir à equipe, mas a maior preocupação é com a retranca armada pelos adversários que jogam na Vila Belmiro. Os santistas não esperam um comportamento diferente do Once Caldas e o caminho para chegar ao gol deve passar pelas pontas, evitando o congestionamento que deverá ocorrer no meio. "Nós precisamos de alternativas, já que a marcação é sempre dura, com nove ou dez jogadores atrás da linha da bola", comentou o meia Diego, que retorna à equipe depois de vencer a contusão muscular que o tirou da partida de sábado passado contra o Atlético-PR. "Fiz tratamento até três vezes ao dia para estar 100% nessa partida da Libertadores", disse. Ele espera, como no jogo contra a LDU na semana passada, a Vila Belmiro esteja lotada. "Dentro de campo, vamos procurar fazer o nosso trabalho dentro daquilo que o professor Luxemburgo nos tem passado e contamos com a força do torcedor para conseguir um bom resultado". O exigente Luxemburgo grita, pára as jogadas e orienta muito os jogadores dentro de campo. Para os volantes, recomendou maior movimentação. "Ele não quer ver a gente se movimentando no meio, não ficando sempre no mesmo lugar", disse Renato, que voltou a fazer dupla com Paulo Almeida na marcação do meio-de-campo. Para Renato, o segredo é aproveitar as oportunidades de gols que surgirem para marcar o quanto antes. "Assim, vamos conseguir mais tranquilidade durante a partida para vencer esse jogo que sabemos ser difícil". Ele entende que o importante é a vitória, por qualquer marcador. "Lógico que se for por uma boa margem será melhor porque dará maior tranqüilidade para o jogo de volta, mas o que conta são os três pontos, que nos garantirão a vantagem de jogar na casa do adversário com o regulamento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.