Divulgação
Divulgação

Santos se preocupa com possíveis perdas no setor ofensivo do elenco

Janela de transferências pode tirar do clube o meia Lucas Lima

O Estado de S. Paulo

08 de dezembro de 2015 | 07h00

O começo da janela de transferências deixa a diretoria do Santos preocupada. Após perder a vaga na Copa Libertadores, o clube vai tentar manter as peças importantes para não começar 2016 enfraquecido e atrás dos rivais. O maior foco de preocupação é com o setor ofensivo, principalmente com Lucas Lima, Marquinhos Gabriel e Gabriel.

Ao perder a chance de se classificar para a Libertadores tanto pela Copa do Brasil como pelo Campeonato Brasileiro, a diretoria deixou de embolsar R$ 7 milhões em premiações. O valor, somado à dificuldade em arrumar possíveis patrocinadores pontuais na próxima temporada, dificulta o planejamento para 2016, que já começou a ser discutido entre a cúpula do Santos e o técnico Dorival Junior.

O primeiro armador do time, Lucas Lima, tem proposta do Porto, de Portugal, e reconheceu a possibilidade de sair. "O ano foi muito bom. Fui campeão pelo Santos e consegui chegar à seleção brasileira, que era meu objetivo. Agora é descansar e aproveitar as férias. Existem propostas, sim. Vou sentar com a minha família para decidir isso com calma", disse o jogador.

O Santos é dono somente de 10% dos direitos econômicos de Lucas Lima. O restante pertence a empresários. Precavido, o clube tem sondado o meia Régis, do Sport, como possível substituto para a eventual saída do camisa 20.

Outro titular, Marquinhos Gabriel, também ter a permanência sob risco. O jogador está emprestado ao Santos pelo Al Nassr, da Arábia Saudita, com o contrato válido somente até o fim do ano. O preço para compra dele está fixado em R$ 16 milhões, valor muito elevado para o clube da Vila Belmiro, que vai tentar prorrogar a estadia do defensor no clube.

Já os garotos Gabriel, de 19, e Geuvânio, de 23, sempre são alvo de propostas de clubes estrangeiros. Gabriel foi o artilheiro da Copa do Brasil com oito gols e voltou a chamar a atenção de outras equipes, como do futebl chinês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.