Santos se reforça para vencer Bolívar

A entrada de Basílio no ataque deve ser a principal mudança que o técnico Gallo vai fazer no time para tentar derrotar o Bolívar, quarta-feira, às 19h30, na Vila Belmiro, e terminar a primeira fase da Copa Libertadores da América como o melhor do Grupo 2. Mas essa não será a única alteração. Leonardo, que só não atuou contra o Atlético-PR porque ainda sentia dores no tornozelo direito, está recuperado e retorna à zaga, no lugar de Halisson, e Bóvio, que cumpriu suspensão no sábado, volta para formar com Fabinho a dupla de volantes de contenção, em substituição a Luciano Henrique, que não está inscrito na competição. Embora tenha dito que só vai escalar o time após os treinos de hoje à tarde, na Vila Belmiro, e amanhã cedo, no Centro de Treinamentos Rei Pelé, a tendência é que Gallo opte por armar a equipe com três atacantes, já que o jogo será na Vila Belmiro, diante de um adversário apenas razoável e que deverá se fechar na defesa. Com essa formação, Gallo deve recuar Robinho para ajudar na marcação no meio-de-campo e articular as jogadas ofensivas. Mesmo tendo gostado do comportamento da equipe na vitória de virada, por 2 a 1, contra o Atlético-PR , mantendo os 100% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro, Gallo observou que o ataque poderia ter aproveitado melhor as oportunidades criadas. "Pressionamos forte pelas extremas e pelo meio durante todo o jogo. Poderíamos ter feito mais gols, mas falhamos no último passe e nas conclusões." Esse é mais um motivo para que o técnico escale o velocista Basílio, que pode ser importante para abrir o esquema defensivo do time boliviano. "Toda equipe que vem enfrentar o Santos na Vila Belmiro põe nove ou dez jogadores atrás para se defender, e contra o Bolívar não deverá ser diferente", prevê Gallo. "Cabe a nós encontrarmos o caminho para superar as dificuldades", acrescenta. Ele reconhece que a defesa santista tem apresentado falhas nos últimos jogos, tanto que na série invicta de 10 partidas do time sob o seu comando, apenas contra a Internacional, de Limeira, São Paulo e Paulista, de Jundiaí, não tomou gol; mas justifica. "O que acontece é que o Santos é uma equipe muito ofensiva e por isso oferece chances para os adversários contra-atacarem." Gallo acredita que o problema deve ir desaparecendo com a seqüência de jogos e a melhora no entrosamento do time. "Estamos evoluindo dentro das competições", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.