AE
AE

Santos segura pressão do Bahia, vence na marra e sai da zona de rebaixamento

Com gols de Neymar e Alan Kardec, time de Muricy vence pela primeira vez fora de casa no Campeonato Brasileiro

Itamar Cardin, Agência Estado

21 de agosto de 2011 | 19h59

SALVADOR - O Santos obteve importante vitória neste domingo. Mesmo depois de ser dominada pelo Bahia durante quase toda a partida, a equipe teve a frieza necessária para aproveitar suas oportunidades e ganhar por 2 a 1, no Estádio do Pituaçu, pela 18.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com a boa vitória fora de casa, a primeira do time santista na competição, o Santos chegou aos 18 pontos e deixou a zona de rebaixamento. O Bahia, por sua vez, permaneceu com 20 e desperdiçou chance de chegar mais próximo da zona intermediária da classificação.

Com as duas equipes na parte de baixo da tabela e precisando da vitória, o primeiro tempo em Salvador foi eletrizante. O Santos logo abriu o marcador aos três minutos, de pênalti com Neymar. Só que parou de jogar a partir daí. A exceção era o goleiro Rafael, que fez pelo menos quatro grandes defesas até se machucar e ser substituído no intervalo. Antes disso, ele não conseguiu impedir o gol de empate do Bahia, marcado por Júnior. O ritmo do jogo caiu na etapa final. E, em um de seus poucos ataques, o Santos castigou o adversário com um gol de Alan Kardec.

O JOGO

Os dois times entraram em campo neste domingo com alguns desfalques. Sem contar com Pará, suspenso, o técnico Muricy Ramalho improvisou o volante Adriano na lateral-direita. Também suspenso, Edu Dracena foi substituído por Bruno Rodrigo. O Bahia, por sua vez, não tinha Jobson, cortado da partida após chegar atrasado na concentração. Assim, Jones ganhou uma chance.

Mesmo na casa do inimigo, o Santos iniciou em ritmo alucinante - e permitindo também que o Bahia atacasse com perigo. A fanática torcida baiana ainda cantava com entusiasmo quando Borges, logo aos dois minutos, deu bom passe e Ganso foi derrubado por Marcone dentro da área. Com perfeição, Neymar bateu pênalti rasteiro no canto e abriu o placar.

Mas a resposta do Bahia foi imediata: no minuto seguinte, Junior recebeu na intermediária e bateu firme, para grande defesa de Rafael. O Santos não deixou por menos. Aos seis, Neymar recebeu bom lançamento, invadiu sozinho a área e driblou o goleiro Marcelo Lomba, mas com o gol aberto conseguiu acertar um defensor. A bola ainda sobrou limpa para Borges, que bateu para fora.

A partir daí, o Bahia ampliou o domínio e colecionou tentativas desperdiçadas. Aos 13, Júnior aproveitou cruzamento de Ávine e cabeceou na trave. Oito minutos depois, Marcos recebeu sozinho na área e chutou para outra boa defesa de Rafael. O time baiano até chegou a marcar aos 24, após Júnior aproveitar rebote de cabeçada de Fahel, mas a arbitragem, corretamente, assinalou impedimento. E, no minuto seguinte, Jones chutou cruzado com perigo, para mais uma defesa do goleiro santista.

Até que o massacre baiano, enfim, resultou no gol de empate aos 28 minutos. Depois de outra boa intervenção de Rafael em chute de Marcos, Júnior ficou com o rebote em posição duvidosa e balançou as redes.

SUSTO

O gol, no entanto, não diminuiu o ímpeto do time da casa. Acuado pela pressão adversária, o Santos quase não passava do meio de campo. E o Bahia continua desperdiçando gols. Aos 33 minutos, Marcos cobrou falta no ângulo, Rafael se esticou e espalmou no travessão. O goleiro ainda evitou gol de Carlos Alberto ao dividir com o meia, em lance em que o santista machucou a cabeça e recebeu atendimento médico por alguns minutos.

Na volta do intervalo, Rafael não se recuperou e foi substituído por Vladmir. E, sem o seu herói do primeiro tempo, o Santos começou melhor e quase fez o segundo aos sete minutos, quando Ganso acertou chute na trave.

O ritmo do jogo caiu consideravelmente a partir dos dez minutos. O Bahia tinha a posse de bola, embora não chegasse com o mesmo perigo. Ainda reclamou de dois pênaltis, sobre Jones e Ávine, não marcados pela arbitragem. Aos 28, Gabriel desperdiçou grande oportunidade ao receber sozinho na área e driblar Vladmir. Na conclusão, a bola desviou na zaga e saiu para escanteio. Reinaldo também teve boa chance aos 33, ao invadir a área e bater para fora.

GOL

E, depois de tantas chances desperdiçadas, o Bahia foi castigado. Alan Kardec, que havia acabado de entrar no lugar de Borges, aproveitou sobra de escanteio e marcou o gol da vitória do Santos, para o desespero dos mais de 32 mil torcedores presentes no Estádio de Pituaçu.

Na última rodada do primeiro turno, o Santos recebe o São Paulo domingo. O Bahia duela com o Ceará no Presidente Vargas.

Bahia 1 x 2 Santos

Bahia - Marcelo Lomba; Marcos (Gabriel), Titi, Paulo Miranda e Ávine; Marcone, Fahel, Diones (Ricardinho) e Carlos Alberto; Jones e Júnior (Reinaldo). Técnico: René Simões

Santos - Rafael (Vladmir); Adriano, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Arouca, Henrique, Elano (Bruno Aguiar) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges (Alan Kardec). Técnico: Muricy Ramalho

Gols - Neymar, aos três, e Júnior, aos 28 minutos do primeiro tempo; Alan Kardec, aos 36 minutos do segundo tempo. Árbitro - Ricardo Marques Ribeiro (MG). Cartões amarelos - Marcone, Léo, Carlos Alberto, Adriano e Fahel. Renda - R$ 782.407,50. Público -  32.157 (pagantes). Local - Estádio do Pituaçu, em Salvador (BA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.