Santos só se importa com a Libertadores

Terminado o jogo, no apertado espaço destinado às entrevistas dos jogadores do Santos e do técnico Alexandre Gallo, junto aos vestiários do Palestra Itália, o assunto não era a derrota do time diante do arqui-rival Palmeiras. Nem a chegada do ídolo dos anos 90, Giovanni, que já treinará nesta segunda-feira à tarde, no CT Rei Pelé e tem chances de ser inscrito para a Copa Libertadores da América. A preocupação era saber se a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai se render ao apelo dos dirigentes da Vila Belmiro para que Robinho e Ricardinho sejam liberados para enfrentar o Atlético-PR, na Arena da Baixada, abrindo as quartas-de-final da Libertadores. Porém, nenhum dirigente apareceu para dizer quando o clube terá uma resposta. ?A qualquer momento a CBF deve confirmar a liberação?, informava um dos assessores de imprensa. ?Os contatos estão sendo mantidos e a resposta deve ser dada a qualquer momento?. Numa conversa por telefone entre o presidente do clube, Marcelo Teixeira, e o secretário-geral da CBF, Marco Antônio Teixeira, o Santos se comprometeu a entregar os jogadores até 23h de quarta-feira. Por enquanto, a única boa notícia é que o lateral-direito Paulo César não sente mais dores no músculo posterior da coxa direita e até pode ser colocado à disposição do técnico Gallo se o exame a que será submetido segunda cedo mostrar que a lesão desapareceu. ?São grandes as chances de eu liberá-lo?, disse Braga, lembrando que se isso acontecer, o treinador ainda vai avaliar o seu condicionamento físico. Quanto aos demais titulares poupados no jogo de domingo, contra o Palmeiras, todos terão condições de atuar na quarta-feira, diante do Atlético-PR. De acordo com o médico, Robinho, Deivid, Ávalos, Ricardinho, Léo e Bóvio, que entrou mas foi substituído ainda no primeiro tempo, em razão de ter sentido uma fisgada na coxa direita, todos estarão liberados para os treinos de segunda e terça. A derrota no clássico com o Palmeiras ficou em segundo plano. Apenas Basílio, autor do gol santista, na cobrança de pênalti, demonstrou insatisfação pelo fraco rendimento da equipe, principalmente no primeiro tempo. ?Apesar de o time estar desfalcado, poderia jogar melhor. Não podemos usar a ausência dos titulares como desculpa, porque todos que estão no Santos têm condições de entrar e atuar bem?, discursou rapidamente, a caminho do ônibus da delegação. ?Mas, em compensação, teve o apoio da torcida, mesmo quando já estávamos perdendo. Isso é muito importante.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.