Santos sob pressão em São Caetano

O Santos joga, neste domingo, contra o SãoCaetano sobre pressão máxima. Ela começa com a ameaça da perdade jogadores importantes - como Robinho, Deivid e Ricardinho -,passa pela situação do time que não vence há cinco jogos - o queé uma ameaça ao técnico Gallo - e termina no desconforto doelenco, já que a diretoria procura quatro reforços para arenovação que ocorrerá no segundo semestre. Gallo procura amenizar essa pressão. Acredita na palavra dopresidente Marcelo Teixeira de que Robinho só sai depois da Copado Mundo de 2006, espera um resultado positivo na reuniãoprevista para a noite deste domingo, em que será decidido odestino de Deivid, e confia na contratação dos reforços pedidos.Sobre sua situação, está tranqüilo: o dirigente deu força a eleesta semana, dizendo que confia em seu trabalho e no projeto derenovação que será iniciado. Fora isso, o treinador tem dois motivos para comemorar. Oprimeiro é a volta do lateral-direito Paulo César, que ficouafastado um mês por contusão. Ele não sente mais dores na coxa eespera um retorno com futebol de qualidade, preocupado que estácom a situação do time, que não vence há cinco jogos. "Otrabalho que está sendo realizado pelo Gallo é muito bom, omesmo acontecendo com a preparação física. Mas os bonsresultados, infelizmente, não estão acontecendo por falta deatenção e até por detalhes durante as partidas", disse olateral. A outra boa notícia é que Gallo poderá contar com Deivid, jáque o centroavante pegou suspensão de apenas uma partida nojulgamento de sexta-feira, já cumprida. CAMPANHA - O capitão Ricardinho, que atribui às especulaçõesas notícias sobre sua saída para o futebol europeu no mês quevem, acha que é normal a cobrança surgir quando as vitórias nãoestão acontecendo. "Futebol é resultado e quando há umaseqüência de jogos sem vitória, começam a ter dúvidas sobre otime. Mas isso é normal no futebol e cabe a nós voltarmos avencer, pois com duas ou três vitórias seguidas as pessoas vãovoltar a apontar o Santos como favorito". O técnico Gallo avalia que a sexta colocação nessa altura docampeonato está de bom tamanho. "Ainda estamos em uma boaposição e estamos tentando reequilibrar novamente a equipe. OCampeonato Brasileiro tem 42 decisões e esperamos nos recuperar,subir sempre na tabela para estar sempre entre os líderes",disse o treinador, lembrando que das sete rodadas, o Santosesteve em primeiro lugar em quatro delas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.