Santos sofre empate no fim e se complica

O Santos viveu um drama nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, no empate por 1 a 1 contra o Once Caldas. Jogou mal e conseguiu um gol só aos 38 minutos do segundo tempo com Basílio. Quando a vitória suada e complicada parecia certa, Pereira vacilou e Valentierra empatou, aos 42. O resultado obriga o time brasileiro a vencer o jogo de volta na Colômbia, na quinta-feira, dia 27, em Manizales, para seguir na Libertadores."Dei azar. Errei o chute e eles empataram o jogo", lamentou o zagueiro Pereira. "Eles vieram aqui para empatar e conseguiram", resmungou Robinho.O primeiro tempo foi de sofrimento para o Santos e mais ainda para a torcida. O time não se encaixou. Em nada lembrou aquela equipe que entrou arrasando a LDU na semana passada. Sobrou aflição, faltou cabeça fria para pensar uma solução contra o forte esquema defensivo do Once Caldas.Em 45 minutos, apenas duas vezes o Santos incomodou o goleiro Henao. A primeira com Robinho errando o toque final depois de receber bom passe de Diego, aos 2 minutos. E a segunda com Deivid, que mandou a bola na trave numa cabeçada aos 41.Dois lances agudos e nada mais. Havia uma dificuldade enorme para fugir das duas linhas de quatro que os colombianos montaram. Diego, apático, não encontrava espaço. Elano e Renato não conseguiam armar o ataque. E Robinho e Deivid abertos nas pontas eram facilmente marcados. Para complicar, os laterais Léo e Paulo César também não tinham como escapar da marcação. O Santos empacou.Na volta do intervalo, Luxemburgo trocou Paulo César por Basílio, numa entativa de dar mais força e velocidade ao ataque. O Santos precisava de gols, muitos gols. Dois minutos e quem deu um susto foi o Once Caldas. Arango aproveitou um rebote e arriscou de longe. A bola bateu na trave e passeou pela risca do gol. Desespero na Vila.Quando o time santista voltou a respirar, enfrentou os mesmos problemas do primeiro tempo: dificuldade para chegar na área de Henao. E ficou ainda mais difícil com a expulsão de Léo, aos 14 minutos. Luxemburgo teve de trocar Deivid pelo lateral Marco Aurélio.O momento nem era mais para pensar em goleada e sim, em vencer o jogo a qualquer custo. Com 11 estava complicado, com 10 era quase impossível. O time colombiano esbanjava organização e já ameaçava nos contra-ataques. Ao Santos restava uma jogada inspirada de Robinho ou Diego ou ainda um lance de valentia de Basílio. Vinte minutos, jogo dramático, aflição na Vila e chuva fina.Diego saiu aos 24. Claiton entrou no seu lugar. Caberia a Renato armar o ataque. Quando tudo parecia perdido, Renato serviu Basílio por trás da zaga. Basílio mandou para a rede: 1 a 0, a Vila explodiu. Mas o alívio durou pouco. Aos 42 minutos, Pereira errou na saída de bola e entregou o presente para Valentierra empatar e calar a Baixada Santista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.