Santos sonha, mas atacante é difícil

Um novo atacante, uma velha promessa. O que o torcedor santista mais temia, quando Robinho foi para o Real Madrid, está quase se confirmando. Para o restante do Brasileirão o mesmo time que vem jogando será mantido. O único reforço contratado foi o lateral-esquerdo Kléber, cedido pelo Basel, da Suíça, por empréstimo de um ano, por 1 milhão de euros.Recursos não faltam para o clube, que vendeu a geração campeã de 2002 juntando uma fortuna estimada em mais de US$ 60 milhões. Mas o presidente Marcelo Teixeira, responsável em 2000 pelo maior endividamento da história santista, agora fala em não fazer loucuras. Ele parece disposto a transferir esse dinheiro para outras áreas, como melhoramentos no estádio da Vila Belmiro, término das obras do Centro de Treinamentos Rei Pelé e a construção de um outro para as categorias de base."Nosso time não fica devendo nada a nenhum outro grande do Brasileiro. Apenas precisamos ter um pouco mais de sorte para poder escalar os melhores jogadores, o que não tem sido possível em razão das contusões. Podemos ganhar o Campeonato com os jogadores que temos", afirmou o diretor de futebol, Francisco Lopes, repetindo o pensamento de Teixeira.Os dirigentes se negam a falar oficialmente sobre nomes, mas alimentam as especulações. Primeiro foi Vagner Love, cuja contratação foi dada como certa até na Vila, embora a proposta santista sequer teve resposta do CSKA, da Rússia. Na semana passada voltou-se a falar de Deivid, que deixou o clube rumo ao Sporting, de Portugal. "Nessa possibilidade eu não acredito porque Deivid é titular no Sporting e a sua contratação foi um pedido do técnico", descarta Lopes.Agora, o que se fala é que diante da indiferença do CSKA à oferta santista, Luizão, que está na Nagoya Grampus, do Japão, teria voltado a interessar, o que não é confirmado pelo gerente de futebol, Luiz Henrique de Menezes. Ele afirma que o mercado está restrito quanto à oferta de bons jogadores e fora dos padrões financeiros para clubes brasileiros.Menezez, porém, não descarta a possibilidade de uma contratação de última hora - as inscrições de novos jogadores para o Campeonato Brasileiro serão encerradas na sexta-feira -, mas ele avisa que não quer criar expectativas. "Temos alguns contatos", resume.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.