Santos teme futuro sem Robinho

O dia da despedida de Robinho está chegando, mas o Santos ainda não sabe o que fazer. Se depender do técnico Gallo, o jogador irá atuar em Belém no dia 24, contra o Paysandu, sendo liberado em seguida para a apresentação ao Real Madrid. Mas o presidente Marcelo Teixeira vai ainda conversar com o atacante, que manifestou a vontade de jogar pela última vez com a camisa do Santos na Vila Belmiro, dia 21, contra o Figueirense, e é bem provável que concorde com esse plano. Robinho ressaltou que nada tem contra o time paraense e contra Belém, mas como a Vila Belmiro é sua casa, prefere se despedir junto aos torcedores que o consideram o maior ídolo depois de Pelé. "Gosto de jogar na Vila, onde tive grandes atuações e seria o melhor", disse ele, ressaltando que, se a diretoria resolver que ele tem de jogar contra o Paysandu, vai fazer isso sem problema. Perto de perder sua principal estrela, o Santos teme pelo futuro do time que, apesar dos reforços contratados este ano, é apenas uma equipe mediana e está longe de despertar a paixão do torcedor. Gallo coordena o trabalho de renovação, mas a diretoria santista tem encontrado dificuldades em contratar jogadores de nível, além de não ter conseguido segurar Deivid. Parte dos US$ 30 milhões que receberá do Real Madrid será aplicada na contratação de jogadores, mas gastar fortunas para ter um atleta virou trauma na Vila Belmiro, depois da experiência fracassada do início da era Marcelo Teixeira, quando uma equipe milionária foi montada para tirar rapidamente o time da fila e conquistar um título importante. Com isso, Gallo já deu uma recuada em relação ao atacante consagrado que vem para substituir Robinho, ressaltando as dificuldades que a diretoria estar encontrando para fechar o negócio, em parte por conta do mercado europeu que ainda está aberto e também pelo interesse de outros clubes nos jogadores pretendidos. Enquanto os reforços mais expressivos não chegam, Ricardinho divide com Giovanni a condição de principal jogador. Dois atletas treinam no CT Rei Pelé e ainda não foram apresentados porque ainda há alguns detalhes contratuais a serem resolvidos: o zagueiro Luiz Alberto e o volante Gavião. Há expectativa de apresentação amanhã desses dois reforços, mas o que o time mais ressente é a falta de atacantes que resolvam o problema deixado pela saída de Robinho e Deivid. E essa é a maior preocupação do técnico Gallo, que tem enfrentado dificuldades para montar o time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.