Santos teme ?ressuscitar? o Flamengo

O Flamengo não vence há dez partidas, mas esse não é motivo para o Santos relaxar, pois pode permitir a reabilitação do time carioca na temporada 2002. O técnico Celso Roth recomenda atenção máxima para o jogo de domingo, às 16 horas, na Vila Belmiro, e nesta sexta-feira não permitiu que o coletivo, em que treinou jogadas ensaiadas, fosse filmado pelas televisões. Fora de campo, o clube conseguiu uma vitória na Justiça: o processo que Galván move contra o Santos foi extinto, já que o jogador e sua advogada não compareceram à audiência no dia marcado e a liminar pedida acabou sendo negada. Com isso, ele deixa de receber os R$ 6 milhões pedidos de indenização e foi condenado ainda a pagar R$ 120 mil de custas. A decisão é de primeira instância e cabe recurso.No coletivo desta sexta-feira, Celso Roth repetiu mais uma vez a formação que adotou durante a semana, com o esquema 3-5-2 e a conseqüente saída do meia Esquerdinha. Robert será o responsável pela ligação entre o meio-de-campo e os atacantes William e Oséas. "Estamos esperando um jogo muito difícil", disse Robert.Para ele, "o Flamengo vive um mau momento e vai dar tudo para sair dessa situação, pois tem tradição e um time com jogadores em condições de definir a partida". Mas lembra que o Santos só tem obtido bons resultados este ano na Vila Belmiro. "Temos que estar atentos, respeitar o adversário, mas contamos com uma vitória, para manter outra tradição que é vencer o Flamengo".O zagueiro Odvan, que conhece bem o adversário, recomenda muita atenção. "Sei da capacidade que eles têm e é sempre preciso muito cuidado, porque o Flamengo não está morto", disse. Já o centrovante Oséas acha que "é preciso entrar esperto em campo e manter atenção constante dentro da partida, porque vencer o Santos é uma boa condição para o time se reabilitar e não podemos permitir isso".Galván - O zagueiro Galván continua vinculado ao Santos, conforme informou o Departamento Jurídico do clube. "Com a extinção do julgamento, a liminar que ele havia conseguido foi revogada e ele não pode atuar em clube algum, enquanto a Justiça brasileira não se pronunciar sobre o caso", disse o advogado Marcos Vinicius Lourenço Gomes, informando que os ofícios estão sendo expedidos nesse sentido até para a Fifa".O jogador pode ainda recorrer, mas o advogado do Santos acha que "pela sua fundamentação, essa decisão é irrecorrível". Para apelar, o jogador terá que pagar os R$ 120 mil das custas processuais, que incidem sobre o valor de R$ 6 milhões pedido por Galván.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.