Santos tenta a recuperação contra o lanterna Náutico

Depois de tropeçar em casa no segundo jogo sob o comando de Vanderlei Luxemburgo, o Santos tenta a reabilitação contra o lanterna Náutico, nesta quarta-feira, às 19h30, no estádio dos Aflitos, no Recife. Em 12.º lugar na classificação, com 17 pontos, o time está apenas quatro pontos à frente do Sport, o primeiro do bloco de clubes mais ameaçados pelo rebaixamento.

SANCHES FILHO, Agencia Estado

29 de julho de 2009 | 07h55

A derrota de virada, diante do Flamengo, ainda não foi absorvida pelo técnico porque arranhou dois pontos importantes do seu discurso de apresentação: voltar a fazer da Vila Belmiro um alçapão, onde todos os adversário passariam a ter medo de jogar "e pedir licença para abrir a geladeira", e compactar o time, aproximando um setor do outro.

Seu plano era somar seis pontos nos dois jogos na Vila Belmiro e mais três contra o Náutico, numa reação semelhante à do Avaí, e se aproximar do G-4. Mas, ao contrário, ele viu um Santos desarrumado cair diante Flamengo, de quem não perdia em casa há 33 anos.

A sua principal providência para equilibrar o time para o jogo contra o Náutico será a escalação de um centroavante. Foi um fracasso a sua experiência de improvisar o meia Paulo Henrique Lima na posição, em razão da liberação de Roni para o Fluminense. Perdeu um meia de qualidade por um bom tempo do jogo e ficou sem um jogador de referência na frente.

Afastado por contusão há 10 dias, Kléber Pereira voltou aos treinos às pressas na última segunda e só não será o camisa 9 no Recife se for reprovado no teste de pouco antes do jogo. Nesta terça, Luxemburgo deu um coletivo no estádio do Arruda para testar o time que deve começar a partida. E Kléber Pereira foi o centroavante. A segunda opção é o garoto André, que participava da Taça BH de Futebol Júnior e viajou direto para Recife.

O escolhido para substituir Domingos foi Eli Sabiá, contratado por empréstimo do Paulista, de Jundiaí, a pedido de Vágner Mancini, e que ainda não estreou. O titular nem viajou porque sofreu lesão muscular na parte interna da coxa esquerda. Embora seja mais experiente, André Astorga deve ser preterido. No lugar do suspenso Roberto Brum, tanto poderá entrar o meia Robson como o recém-contratado Rodrigo Mancha, volante que também atua na zaga. No coletivo, Luxemburgo usou Mancha como terceiro volante.

Apesar de ter marcado gols nas três últimas vezes em que entrou no time no segundo tempo, Robson não sabe se vai ser titular. "Quero manter essa sorte de fazer gol sempre que entro no time. Mas também tem o lado negativo e não é bom para a minha carreira ficar marcado como jogador de segundo tempo. Estou bem e quero jogar, mas quem decide é o treinador", declarou o meia.

Para Robson, se o Santos não ganhar nesta quarta, há o risco de a torcida voltar a pressionar como há duas semanas, quando a delegação foi recebida com ovadas e os jogadores acusados de pipoqueiros e mercenários, após a derrota por goleada contra o Vitória, em Salvador. "Nós temos consciência de que estamos devendo, mas isso vai mudar. Vamos ganhar do Náutico, brigar por vaga na Libertadores e, quem sabe, até pelo título", prometeu o jogador.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroSantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.