Santos tenta confirmar recuperação diante do Cruzeiro

O Santos se fortaleceu com o empate com o Corinthians, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, e agora planeja dar mais um passo para encurtar a distância que o separa dos concorrentes que estão no topo da classificação do Brasileirão. Para isso, terá de retomar o caminho das vitórias - após dois empates e uma derrota no campeonato -, algo que não será fácil. O adversário santista deste domingo é o Cruzeiro, que faz excelente campanha, em confronto marcado para começar às 16 horas, no Mineirão, em Belo Horizonte.

SANCHES FILHO, Agência Estado

11 de agosto de 2013 | 09h05

Confiança parece não faltar no Santos. O técnico interino Claudinei Oliveira, que deverá dar lugar a alguém mais experiente nos próximos dias, se mostra otimista. "O planejamento é para que o time tenha contra o Cruzeiro a raça e a dedicação da quarta-feira", disse, citando o empate no clássico com o Corinthians. "Vamos eliminar os pontos fortes e explorar algumas fragilidades do Cruzeiro, para tentar somar os três pontos."

No clube, todos querem deixar no passado a vexatória derrota por 8 a 0 para o Barcelona, em amistoso disputado no dia 2 de agosto, no Camp Nou - o que o empate com o Corinthians já ajudou a fazer. E vencer um dos melhores times do Brasileirão, como é o caso do Cruzeiro, daria mais uma boa contribuição para isso.

Neste domingo, Claudinei Oliveira deve repetir a estratégia que deu certo na quarta-feira, armando o time santista com forte poder de marcação, provavelmente com Alison como terceiro volante ao lado de Arouca e Cícero, e colocando o lateral-esquerdo chileno Mena no lugar de Léo, poupado. No ataque, Giva substitui Willian José, expulso contra o Corinthians, e forma dupla com Neilton, repetindo uma parceria de sucesso nas categorias de base.

O jogo também marcará o reencontro do argentino Montillo com seu ex-clube, onde teve ótima passagem. As torcidas organizadas do Cruzeiro, porém, prometem recebê-lo com uma chuva de moedas. Uma ingratidão, entende o hoje jogador do Santos. "Joguei com o meu filho na UTI de um hospital para ajudar o Cruzeiro, que estava ameaçado de ser rebaixado, e não fui chorar para ninguém", lembrou o meia.

Para Montillo, a transferência dele para o Santos, no começo deste ano, também foi boa para o Cruzeiro. "O clube estava sem dinheiro, tanto é verdade que ficou um ano em meio sem contratar jogadores para voltar a disputar título", afirmou o argentino, que também disse ter muito respeito pelo Cruzeiro e prometeu não comemorar se marcar algum gol neste domingo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.