Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Santos tenta esquecer o favoritismo

Santos, vice-líder do Campeonato Brasileiro, com 61 pontos. Guarani, último colocado, com apenas 31. Apesar da disparidade entre as duas equipes, Vanderlei Luxemburgo sabe muito bem as dificuldades que sua equipe enfrentará na partida contra o Guarani, neste sábado, às 18h, no Brinco de Ouro, em Campinas."É muito complicado passar pelo Guarani, ainda mais quando eles jogam em casa. Eu lembro que nós já vivemos essa situação de sermos os favoritos e acabamos derrotados pelo Botafogo (2 a 0), quando ele ocupava a última colocação", alerta o treinador.Luxemburgo ainda faz mistério em relação ao time que colocará em campo. A única dúvida está no meio-de-campo. Zé Elias, ainda se recupera de contusão, e o substituto Preto Casagrande, está suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo.Apenas uma simples vaga, mas suficiente para o treinador esconder a escalação. "Vou esperar até amanhã (02). Ainda estou estudando as possibilidades que podem acontecer", justifica.Segundo ele, quatro jogadores lutam pela vaga no meio-de-campo. E o segredo só será revelado a partir do momento em que o técnico do Guarani, Agnaldo Liz, revelar seu esquema tático. Caso a equipe campineira jogue com seis homens no meio-de-campo, Marcinho, Basílio e Ricardo Bóvio são os favoritos. Com um dos dois primeiros, o Santos ganharia em velocidade no ataque. "Mas aí um dos atacantes seria obrigado a auxiliar na marcação", avisa Luxemburgo.Com Bóvio, o Santos manteria o mesmo esquema. Dois volantes fortes na marcação (Fabinho e Bóvio), dois meias (Ricardinho e Elano) e dois atacantes (Robinho e Deivid). "Também estou pensando em colocar o Ávalos, que jogou muito bem nas últimas duas partidas", complementou, acirrando ainda mais a disputa pela vaga.Vanderlei Luxemburgo garante que a curta estadia em Atibaia valeu para os jogadores evitarem a pressão por terem deixado o rival paranaense abrir vantagem na liderança do campeonato."O aspecto emocional sempre é importante. Mas eu garanto que é muito melhor sentir a pressão para brigar para ser campeão do que a pressão para fugir do rebaixamento", rebateu o treinador. "Esse intervalo aqui em Atibaia já estava programado. As vezes, uma intertemporada dessas é importante para lapidar a equipe. Se o clube oferece uma boa infra-estrutura, não é nem preciso viajar para outra cidade." O fato de o Santos entrar em campo já sabendo o resultado da partida do Atlético Paranaense (joga às 16h, contra o Atlético-MG) incomoda o técnico do Santos. Não é a primeira vez que isso acontece. Aliás, é a terceira consecutiva. Porém, Vanderlei Luxemburgo sentiu que o time ficou abalado momentos antes do início do jogo contra o Internacional, no meio de semana. Resultado: o Santos perdeu (2 a 1)."Houve muito falatório em torno do resultado conquistado pelo Atlético-PR e eu não gostei. Não foram apenas os jogadores que estavam comentando, mas o ambiente antes do jogo propiciou essa pressão de última hora", explicou.

Agencia Estado,

01 de outubro de 2004 | 20h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.