Santos tenta manter a tranquilidade

O Santos, que já esteve no topo da tabela, no início do Campeonato Paulista, voltou a figurar entre os quatro classificados para a próxima fase, depois de vencer o São Caetano por 2 a 1, no sábado, em São Caetano. A posição santista, no entanto, não garante tranqüilidade na Vila Belmiro porque a torcida continua indo aos estádios com as faixas de cabeça para baixo, o lateral esquerdo Léo está no Departamento Médico e, como lembra o técnico Geninho, ainda falta o jogo de domingo contra o Mogi, onde o time precisa pelo menos empatar para garantir a classificação. Os jogadores voltam a treinar na quarta-feira, evitando ao máximo o clima de euforia. Para o meia Robert, que defende a Seleção no jogo de quarta-feira, "a semana será de tranqüilidade para a equipe, um momento para colocar a cabeça no lugar e se preparar para o jogo contra o Mogi". O volante Rincón acha que "o Santos chegou muito forte nesta reta final e será difícil de segurar o time". Quem faz coro com o colombiano é o lateral esquerdo Léo, que avisa em tom de promessa: "eles não podiam deixar o Santos chegar. Agora que deixaram, ninguém vai segurar". Dodô, apesar das vaias da torcida, recebeu elogios do técnico Geninho: "Eu acho que ele fez um bom primeiro tempo, se movimentou, tentou jogadas de gol, foi um jogador participativo". Mesmo com tantos elogios e comemorações, Geninho lembra que "o jogo do Mogi será perigoso porque mais uma vez teremos um adversário que vem para o tudo ou nada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.