Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Santos tenta manter o embalo para se aproximar do G4

Embalado pelas vitórias nos clássicos diante de Corinthians e Palmeiras, o Santos volta a jogar nesta quarta-feira, contra o Bahia, a partir das 19h30, na Vila Belmiro. E a ordem é ganhar novamente, para consolidar a arrancada no Brasileirão e se aproximar ainda mais do G4, o grupo dos quatro primeiros colocados - está em 10.º lugar, com 26 pontos somados em 19 rodadas.

SANCHES FILHO, Agência Estado

29 de agosto de 2012 | 07h13

Sem problemas de contusões ou suspensões entre os titulares, o técnico Muricy Ramalho vai repetir a escalação santista pelo terceiro jogo seguido, incluindo a vitória de sábado sobre o Palmeiras e o empate da semana passada contra a Universidad de Chile, em Santiago, pela Recopa Sul-Americana. Segundo ele, a manutenção do time é fundamental para melhorar o rendimento dos novatos Pato Rodriguez e André, que herdaram as vagas que eram de Elano e Borges no primeiro semestre.

Com a contratação do meia argentino Pato Rodriguez, Muricy abriu mão de um volante (Henrique) para adotar um esquema mais ofensivo, formando um quarteto de frente com Ganso, Neymar e André. Mas, mesmo com a série de quatro resultados positivos - também ganhou do Figueirense pelo Brasileirão -, o treinador não está satisfeito e acredita que o time ainda vai crescer nas próximas rodadas.

Para Muricy, ainda falta Pato Rodriguez se acostumar a jogar pelo lado direito (no Independiente, da Argentina, atuava pela esquerda), correr menos e soltar mais a bola. Além disso, o treinador entende que André precisa recuperar o ritmo que perdeu durante o período em que ficou no banco de reservas do Atlético-MG.

Outra preocupação de Muricy é blindar o meia Ganso das críticas que vem sofrendo por causa do impasse sobre o futuro. Assediado pelo São Paulo, que chegou a fazer proposta oficial já recusada pelo Santos, o jogador chegou a ouvir protestos da torcida santista durante a vitória sobre o Palmeiras. Mas o trabalho do treinador tem sido o de prestigiar o garoto de 22 anos, para que ele possa render tudo o que sabe dentro de campo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.