Santos terá novidades nas laterais contra o Náutico

O técnico Claudinei Oliveira confirmou nesta sexta-feira que o Santos terá duas alterações para o duelo com o Náutico, sábado, na Arena Pernambuco, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. E ambas serão nas laterais, com os retornos de Cicinho, na direita, e Mena, na esquerda, nos lugares de Bruno Peres e Emerson Palmieri, respectivamente.

AE, Agência Estado

18 de outubro de 2013 | 15h09

"Vamos procurar manter a formação com o retorno dos laterais. Bruno Peres e Emerson jogam muito bem na última partida, deram conta do recado. Mas, Cicinho e Mena voltam naturalmente, por serem titulares da posição. O restante da equipe é a mesma, vamos procurar dar uma sequência e achar uma equipe que possa ser mantida. Nunca consegui escalar duas vezes a mesma formação. Esperamos que com essas alterações possamos enfrentar o Náutico e fazer um bom jogo na Arena Pernambuco", disse.

Cicinho não participou do empate do Santos com o Internacional, na última quarta-feira, porque cumpriu suspensão automática pela expulsão no jogo diante da Ponte Preta. Já Mena ficou de fora das partidas anteriores porque estava defendendo a seleção do Chile.

Assim, Claudinei decidiu manter quase todos os titulares do empate sem gols com o Inter, incluindo a dupla de ataque formada por Thiago Ribeiro e Everton Costa. O Santos, então, vai entrar em campo com a seguinte escalação: Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Mena; Alison, Arouca, Cícero e Montillo; Thiago Ribeiro e Everton Costa.

Claudinei explicou que Montillo está liberado das obrigações defensivas por ter acabado de se recuperar de uma lesão na panturrilha direita. "Jogamos com três atacantes só contra o Coritiba. Estamos jogando no 4-4-2, com dois atacantes abertos. O Montillo não tem responsabilidade de marcar, ele não está jogando como atacante, mas sim como meia que flutua nas costas do adversário, fazendo movimentações. Sem a bola, ele fica um pouco mais à frente. É uma opção nossa de deixá-lo livre de marcação enquanto não está 100%", disse.

O técnico santista torce para que essa liberdade ajude Montillo a brilhar. "Ele sempre cumpriu as funções de marcação, mas não tem sentido ele, ainda sem o ritmo de jogo ideal, ser colocado para fazer uma função tática de marcação, e quando tiver a bola não resolver o que a gente precisa. O pessoal está se sacrificando um pouco ali atrás para que quando o Montillo pegue na bola, ele possa fazer a diferença", comentou.

Diante do lanterna do Campeonato Brasileiro, Claudinei pediu atenção para que o Santos não seja surpreendido. "Sabemos que o Náutico é um time que vem jogando sem muita responsabilidade, em termo de classificação, mas estão em situação bem complicada. Eles podem arriscar jogadas, portanto, se torna um adversário perigoso, como já vimos aqui na Vila Belmiro. Espero não sermos surpreendidos e conseguir os três pontos em Recife", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.