Santos terá três desfalques contra Paraná

Sem poder contar com os atacantes Robinho, Nenê e Júlio César, todos suspensos, o técnico Leão testa os substitutos nesta sexta-feira para o jogo de sábado, contra o Paraná, em Curitiba. Ele tem várias alternativas para formar o ataque, mas Elano deverá ser mantido no setor, após o bom desempenho na partida contra o Atlético-MG, na Vila Belmiro. Fabiano, que volta de suspensão, fará dupla com o jogador. "Sempre gostei de jogar de centroavante e ficarei muito feliz se for mantido".Segundo Elano, os gols perdidos no primeiro tempo não o abalaram. "Quando entrei para o segundo tempo, comentei com o Diego que iria marcar três gols". Não marcou os três, mas fez dois e deu o passe para o terceiro, marcado por Renato. "O Santos sempre cria muitas oportunidades de gol e eles acabam sempre saindo". Elano agora é o vice-artilheiro santista no Brasileiro, com seis gols, um atrás de Nenê.Leão elogiou mais uma vez o atleta, que considera um exemplo de aplicação técnica. "Fico feliz com o elogio do professor e minha prioridade é sempre ajudar o clube, não importa a função que devo exercer". Satisfeito com os dois gols, o mais novo atacante santista lamentou o empate contra o Atlético-MG. "Valeu para mim, mas para o time não, pois não venceu". Acha que precisa treinar mais os arremates a gol e adquirir características de centroavante.Alternativas - Com os três jogadores suspensos, Leão terá de mexer na equipe para o confronto com o Paraná. Uma de suas alternativas é escalar o volante Alexandre para formar a dupla com Paulo Almeida e avançar mais Renato, que armaria as jogadas de ataque com Diego. Pode também escalar Jerri no meio-de-campo, com Elano e Fabiano no ataque. Mas há ainda a hipótese de escalar um dos centroavantes recém-contratados, Marcelo e Val Baiano, com preferência para o primeiro, que vem treinando bem.Fabiano cumpriu suspensão automática e voltará à equipe, provavelmente como atacante, função na qual vem sendo escalado. "Os desfalques têm atrapalhado o time e jogo no ataque por uma emergência, pois nunca fui um atacante, um jogador de área", esquiva-se. Ele entende que os desfalques atrapalham o time, que não repete a escalação. "O professor Leão já disse que tem de haver um basta em tomar cartão bobo para que a gente tenha uma seqüência de partidas".O goleiro Fábio Costa acha que seu time precisa tomar mais cuidado no primeiro tempo, já que nos dois últimos jogos os adversários foram para o vestiário com vantagem no marcador. "Temos de mudar nossa atitude nos primeiros 45 minutos, porque sair atrás da recuperação no segundo tempo é sempre complicado".Mea culpa - O zagueiro André Luís admitiu falha no gol de Guilherme e disse que não ouviu Léo chamando sua atenção para a chegada de Luís Alberto no gol de empate dos mineiros. "Achei que estava absoluto na bola e, quando vi, o Luís Alberto estava sozinho às minhas costas e fez o gol". Léo falou para o zagueiro que havia gritado alertando-o para a presença do adversário. "Infelizmente, não ouvi", completou André Luís. O lateral-esquerdo, que deixou o campo com o braço esquerdo inchado, passou por uma radiografia logo depois do jogo e foi tranqüilizado pelos médicos, que não constataram nenhuma fratura. Seu nome é certo na partida contra os paranaenses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.