Santos treina sob olhares de Milan e Bayern

Parecia um coletivo normal do Santos, mas sentado num banco no CT Rei Pelé estava o diretor-geral do Milan, Ariedo Braida, ao lado do empresário Cláudio Guadagno. Um pouco distanciados, estavam o ex-jogador Paulo Sérgio, acompanhado de um ex-atleta e olheiro do Bayern de Munique. Os quatro acompanharam a movimentação do time e evitaram conceder entrevistas. No campo, dois jogadores não treinaram: o goleiro Fábio Costa, com uma contusão no músculo adutor da coxa direita e o lateral-esquerdo Léo, que se tratava de uma pancada na coxa esquerda. Fábio Costa foi vetado para o jogo de amanhã contra a Ponte Preta, em Campinas, e será substituído por Júlio Sérgio, mas Léo deverá jogar.Ariedo Braida alegou que não ia dar entrevista porque não estava em visita oficial ao clube e o técnico Leão comentou a visita do italiano."o Braida é um amigo de algum tempo e fui muito bem recebido no Milan quando era treinador da seleção brasileira e nada mais justo do que ele pagar a visita aqui".O treinador explicou que o dirigente do Milan esteve no CT Rei Pelé para "ver, bater papo, saber como esse Santos vitorioso faz as coisas, onde treina". E concluiu: "foi uma visita de amizade, social e, logicamente, o Braida de bobo não tem nada e veio olhar também".Leão acha que a visita de Ariedo Braida não terá reflexos em contratações, embora ele estivesse acompanhado de Cláudio Guadagno. "Se o Marcelo Teixeira quiser vender jogador é só abrir a bolsa e tem quatro ou cinco vendidos num dia só aqui, mas ele não tem interesse nisso e já mostrou que não vai vender e, portanto, a intenção nossa é aumentar a equipe para o próximo ano, para manter ou melhorar esses dois anos de excelência". Mas esclareceu que os reforços só serão contratados depois do término do Brasileiro.Leão disse que não tem sonho de dirigir um time como o Milan. "Tenho o pé bem no chão, todos sabem do meu objetivo de parar aos 60 anos e não me passou pela cabeça deixar o Brasil, tive convites de alguns países, não da Itália, mas não quis aceitar". Quanto a Paulo Sérgio, o treinador disse que "todo ex-atletas são muito bem recebidos, ele veio com um representante do Bayern de Munique para conversar conosco, ver os jovens de perto".Para Robinho, foi bom treinar sendo observado por estrangeiros. "Com os dirigentes assistindo ao treino, pode haver emprego para muita gente que não estava sendo percebida e um bom treino pode levar a garotada a jogar em algum time de ponta da Europa". Em seu caso específico, não falou sobre a possibilidade de ser contratado por algum clube europeu. "Estou preocupado com o jogo contra a Ponte", despistou.Léo foi poupado do treino e acha que isso não o prejudicou em relação à observação do dirigentes italiano. "Se estivesse em campo sem condições, não ia resolver; então, é melhor ficar me tratando para jogar domingo". Ele achou que seus companheiros fizeram um treino normal e que a presença dos estrangeiros não afetou em nada o comportamento de todos. Elano confirmou: "é importante para nós que essas pessoas assistam aos treinos, mas agimos com naturalidade porque as coisas acontecem naturalmente e temos que fazer nosso trabalho". O meia acha que o potencial dos jogadores do Santos é conhecido no exterior. "Eles sabem quem é quem, mas nos treinamentos procuramos não relaxar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.