Santos usa Luxemburgo contra o Mogi

O time do Santos comandado por Oswaldo de Oliveira ainda tem muita coisa de Vanderlei Luxemburgo. Os próprios jogadores admitem. E prometem colocar em prática contra o Mogi Mirim, nesta quinta-feira, às 20h30, um dos principais mandamentos do atual técnico do Real Madrid: vencer até os jogos fora de casa, a qualquer custo. "Estamos acostumados com a mentalidade de que o empate só é bom em última instância", diz Ricardinho, capitão do time de Oswaldo, assim como no de Vanderlei. "Nem cogitamos a derrota, claro. Mas até poderíamos pensar num empate fora. Só que isso não ocorre. Num campeonato por pontos corridos como este, sem returno, a necessidade da vitória é extrema."Manter os jogadores motivados a encararem como decisão cada jogo de um campeonato por pontos corridos era uma das maiores obsessões de Luxemburgo. Não é à toa que ele conquistou os dois últimos campeonatos brasileiros disputados nesse sistema. Oswaldo, que chegou a trabalhar com Luxemburgo no fim dos anos 90, pretende seguir o mesmo caminho. E alerta para as qualidades mostradas pelo Mogi Mirim no início deste Paulista. "Este bom começo deles não é fogo de palha. Por isso que a vitória do Santos é importante, principalmente nesse momento, em começo de competição e contra um rival que também já ganhou duas vezes", explica.Outra herança dos tempos de Luxemburgo é a maneira como o time se porta em campo. "Nós adquirimos uma característica de toque de bola, um padrão, um entrosamento muito interessante. E não vamos abrir mão disso", avisa Ricardinho. "É claro que algumas pequenas coisas já mudaram com o Oswaldo. Mas talvez isso não fique muito evidente ainda."O entrosamento será muito testado neste jogo, já que o time não terá uma de suas principais peças: o lateral-esquerdo Léo, machucado. Para piorar, Oswaldo perdeu os dois jogadores que vinha testando como substituto do lateral: o volante Zé Elias e o novato Giba. Ambos também se machucaram.Com isso, Oswaldo se viu obrigado a escalar o meia Luís Augusto como lateral-esquerdo. "Nunca atuei nessa posição, mas pretendo ajudar da melhor maneira possível", afirma o jogador.Outro atleta vetado é o atacante reserva Basílio, com dores na panturrilha direita. Em compensação, o volante Tcheco teve sua documentação regularizada e fica no banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.