Santos vai à Fifa contra jogos anulados

A diretoria do Santos não desiste. Depois de fracassar na justiça esportiva brasileira, o clube planeja recorrer à Fifa para suspender a decisão do STJD que anulou os 11 jogos apitados pelo ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho - réu confesso no processo que investiga manipulação de resultados no futebol brasileiro. De acordo com o advogado Marcílio Krieger - especialista em direito esportivo contratado pelo Santos - a tese da defesa já está pronta. O clube considera ter sido prejudicado pela decisão, alegando que não há nos autos, nenhum indício de que a partida contra o Corinthians, disputada no dia 31 de julho - e que está entre as remarcadas pela justiça esportiva - tenha sido manipulada.A representação do Santos deverá ser encaminhada ao Tribunal de Arbitragem da Fifa - órgão criado pela própria entidade para dirimir conflitos entre clubes, ou entre clubes e federações nacionais. A decisão de anular os 11 jogos será analisada na quinta-feira da semana que vem pelo plenário do STJD e como as chances de a anulação ser mantida são muito grandes, os santistas planejam apelar à Fifa na sexta-feira seguinte.?Vamos alegar basicamente que não há prova ou indício de manipulação naquela partida. E a legislação esportiva é clara quanto a isso. Se não há prova, o resultado do jogo não pode ser anulado?, alega Marcílio Krieger. O advogado diz que o fato de o árbitro ter declarado que tentou fraudar o jogo em favor do Corinthians não pode ser considerado um indício de manipulação. ?Não temos indicações de que houve causa e efeito?, justifica ele.Segundo Krieger, não há registros de ação semelhante no Tribunal da Fifa, apesar de problemas com arbitragem terem ocorrido recentemente em países da Europa como Alemanha, República Checa e Polônia. O advogado acha que uma decisão da Fifa sobre o assunto não deve sair antes de um mês.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2005 | 12h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.