Santos vence e se torna o primeiro classificado no Paulistão

Em Ribeirão Preto, meia Marquinhos brilha ao marcar dois gols no triunfo sobre o Botafogo por 4 a 2; alvinegro chega aos 38 pontos e agora busca confirmar a liderança para entrar com vantagem

André Rigue, estadão.com.br

25 de março de 2010 | 22h50


André, Ganso, Marquinhos e Madson (esq. para a dir.) comemoram a vitória

 

SÃO PAULO - O Santos ganhou outra no Campeonato Paulista. Em Ribeirão Preto, o alvinegro fez 4 a 2 no Botafogo e garantiu sua vaga nas semifinais da competição. Com 38 pontos, o clube não pode mais ficar fora do G-4, mesmo se perder as três últimas partidas. A meta, agora, é garantir o primeiro lugar para ter vantagem no mata-mata.

 

Veja também:

linkApós classificação, Dorival quer garantir 1.º lugar

tabela Classificação | lista Tabela

 

O Santo André, com 36 pontos após a vitória sobre o Monte Azul por 3 a 0, briga diretamente com o Santos pela liderança do Paulistão. Na próxima rodada, que será neste domingo, o alvinegro terá o fraco Monte Azul na Vila Belmiro, enquanto a equipe do ABC enfrentará o Mogi Mirim no interior.

 

Nesta quinta-feira, o técnico Dorival Júnior não pôde contar com Neymar, suspenso, e Robinho, que se recupera de uma lesão muscular na coxa esquerda. Wesley também ficou de fora por causa de cartão. Assim, George Lucas retornou à lateral-direita e Madson foi escalado como companheiro de André no ataque - no esquema 4-4-2.

 

Com toques rápidos, o Santos não demorou para envolver o Botafogo e criou as melhores oportunidades. A arbitragem, contudo, errou ao anular um gol legitimo de Paulo Henrique Ganso aos 8 minutos do primeiro tempo. Em posição legal, ele completou o arremate de Madson, mas não pôde comemorar devido à marcação de impedimento.

 

Ganso, no entanto, foi o responsável por abrir o placar. Aos 42 minutos, ele recebeu de Arouca e bateu de primeira de fora da área. A bola morreu no canto esquerdo do goleiro Wéverton. "O jeito foi chutar forte, porque o gramado estava liso. Comemorei com a dança do pinguim (foto), para homenagear uma choperia aqui da região", explicou.

 

O Santos não conseguiu segurar a vantagem e proporcionou o empate ao Botafogo ainda no primeiro tempo, aos 44 minutos, em pênalti cometido por Edu Dracena sobre Adriano - Ademir Sopa cobrou e mandou para o gol. "Confesso que foi penalidade", lamentou o zagueiro santista. "Errei, porque ele chegou por trás e eu não observei."

 

 Botafogo2
Wéverton; Jonas    , Cleiton, Leandro Amaro e Andrezinho; Rodrigo Pontes    , Augusto Recife    , Ademir Sopa e João Henrique     (Xuxa); William (André Neles) e Adriano     (Malaquias)
Técnico: José Galli Neto
 Santos4
Felipe; George Lucas (Roberto Brum), Edu Dracena    , Durval e Pará; Rodrigo Mancha    , Arouca, Marquinhos (Rodriguinho) e Paulo Henrique Ganso; Madson (Zé Love) e André
Técnico: Dorival Júnior
Gols: Paulo Henrique Lima, aos 42, e Ademir Sopa, aos 44 minutos do primeiro tempo; Marquinhos, aos 11, Adriano, aos 13, Marquinhos, aos 17, e Zé Love, aos 44 minutos do segundo tempo

Árbitro: Edson Reis Pavani Júnior

Renda: 11.171 torcedores

Público: R$ 443.690,00

Estádio: Santa Cruz, em Ribeirão Preto

A etapa final foi de muita emoção. O Santos voltou a ficar na frente do marcador aos 11 minutos. Na jogada, Ganso rolou para Madson, que cruzou para a área. Marquinhos desviou com a coxa, a bola enganou Wéverton, bateu na trave e morreu no fundo das redes.

 

A zaga santista, porém, voltou a falhar dois minutos depois do gol. O botafoguense Adriano conseguiu ganhar de cabeça entre dois marcadores e mandou no ângulo de Felipe. Um belo gol que deixou o placar em 2 a 2.

 

A vitória santista teve um grande dedo de Marquinhos. Aos 17 minutos da etapa final, o meia aproveitou cruzamento em cobrança de falta de George Lucas. Livre dentro da pequena área, ele cabeceou e fez o seu segundo no jogo e no campeonato.

 

Como prêmio, Dorival deu um descanso a Marquinhos e colocou Rodriguinho em seu lugar. O Santos manteve o ritmo com a mudança e ainda marcou o quarto gol com Zé Love. O atacante deu um corte sensacional, deixou o zagueiro Cleiton no chão e bateu para as redes, aos 44.

 

Ao final do jogo, Pará festejou mais um triunfo. "Nosso trabalho é forte. Cada jogo é encarado como uma final. Conseguimos a classificação e agora vamos tentar a liderança para chegar com força."

 

Atualizado às 23h28 para acréscimo de informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.