Santos vence fora de casa, mas não elimina 2.º jogo

Com uma atuação sem brilho, o Santos venceu o Naviraiense por 1 a 0, nesta quarta-feira, no Estádio Morenão, em Campo Grande (MS), mas não conseguiu eliminar o jogo de volta, válido pela primeira fase da Copa do Brasil, no dia 10 de março, na Vila Belmiro.

ANDRÉ AVELAR, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2010 | 00h13

Longe de apresentar o bom futebol exibido no Campeonato Paulista, o Santos foi surpreendido pela postura dos donos da casa, que se recusaram a manter qualquer retranca. O Naviraiense até chegou com perigo ao gol adversário. O atacante Cristiano dava o tom do entusiasmo.

"Antigamente trabalhava de pedreiro e hoje estou diante de um time grande. É o jogo da minha vida", contou o principal jogador da equipe, que recebeu R$ 90 mil em patrocínios só para essa partida - a folha salarial é de R$ 55 mil.

Apesar da empolgação, o time sofria com os rápidos contra-ataques dos santistas. Neymar, André e mesmo Robinho apareciam na cara do gol, mas perdiam suas oportunidades. Muito toque bonito e pouco efeito para quem ainda nem tinha aberto o placar. E o primeiro tempo terminou com o placar em branco.

Confiante, Neymar saiu para o intervalo prometendo gol. "Os caras estão batendo muito. É só fazer o primeiro gol", disse. Mais cauteloso, Robinho tratou de equilibrar as coisas. "Futebol não tem essa [de favoritismo de time grande]. Temos que jogar respeitando o adversário", advertiu.

Sem poupar seus melhores jogadores, o time de Dorival Júnior ficou mesmo foi devendo futebol em Campo Grande. O técnico tratou de chacoalhar seus comandados e tentar mudar a atitude da equipe. "Afunilamos o jogo e temos que girar mais a bola de um lado para outro. Foi ruim, acho que a equipe vai voltar com uma força maior", disse.

Com 14 minutos da etapa complementar, o primeiro lance de real perigo. Zé Eduardo, que havia acabado de entrar no lugar de André, recebeu na marca do pênalti e soltou o pé para grande defesa do goleiro Aldo. Sumido em campo, Robinho deu lugar a Madson e Marquinhos entrou na vaga de André.

Ainda que tarde, as alterações no Santos deram certo. Aos 36 minutos, Madson cobrou a falta e encontrou Marquinhos livre, que cabeceou para o fundo do gol. A partir daí, o time tentou ampliar o placar para eliminar o adversário e evitar o segundo jogo.

Do outro lado, o técnico Paulo Resende - que já trabalhou com Muricy Ramalho no Náutico em 2001 - usou da experiência para fechar seus jogadores na defesa. Após o gol sofrido, tirou um atacante para colocar um zagueiro, estratégia que deu certo e garantiu a partida na Vila Belmiro.

De volta para casa, a ordem no Santos é descansar. No domingo, o time fará o clássico com o Corinthians, às 17 horas, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista.

Ficha Técnica:

Naviraiense 0 x 1 Santos

Naviraiense - Aldo; Giordan, Jaime, Junior Camaçari e Adriano Lajes; Buru, Jacó, Maílson e Jean Batatais (Marcelo Castelli); Biro (Tom) e Cristiano (Célio Lima). Técnico: Paulo Resende.

Santos - Felipe; Maranhão (Marquinhos), Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Wesley e Paulo Henrique Lima; Robinho (Madson), André (Zé Eduardo) e Neymar. Técnico: Dorival Júnior.

Gol - Marquinhos, aos 36 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Adriano Lajes, Jacó (Naviraiense); Maranhão (Santos).

Árbitro - Héber Roberto Lopes (PR).

Renda e público - Não disponíveis.

Local - Estádio Morenão, em Campo Grande (MS).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.