Santos vence Guarani e se classifica

O Santos não precisou se esforçar muito para vencer o Guarani, por 3 a 0, neste domingo à tarde, no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas. A vitória assegurou, com uma rodada de antecedência, a vaga na segunda fase do Campeonato Paulista, com 20 pontos no Grupo 2. O Guarani, com oito pontos e em oitavo lugar, deve demitir o técnico Joel Santana nesta segunda-feira. O primeiro tempo foi muito movimentado, disputado em velocidade e prendendo a atenção dos torcedores. Os santistas, porém, eram maioria no Brinco de Ouro. Só que o Guarani é quem quase abriu o placar aos 18 minutos, quando Alex fez o cruzamento na cabeça de Viola. A bola encobriu o goleiro Mauro, que substituiu Doni gripado, e tocou no travessão. Dois minutos depois, Elano cobrou o escanteio com efeito e a bola desviou na cabeça de Viola antes de entrar. O juiz Paulo José Danelon, porém, anotou o gol para o santista.A torcida da casa resolveu iniciar seu protesto já anunciado exibindo nas arquibancadas uma faixa com os dizeres: "Chega de incompetência." O Santos ganhou moral e nos minutos seguintes aproveitou o descontrole emocional dos bugrinos para promover um verdadeiro bombardeio. Jean espalmou um chute forte de Robgol. A torcida se inflamou, esquecendo por alguns instantes o desfalque importante de Robinho. Sem ele, o Santos ficou sem velocidade no contra-ataque. Mas mostrou coragem em atacar, facilidade em virar o jogo e falta de preocupação com a marcação. Aos poucos, o time campineiro equilibrou as ações, tomou a iniciativa ofensiva e mereceu chegar ao empate. Aos 26 minutos, o goleiro Mauro voltou a ter sorte no chute por cobertura de Alex que bateu, de novo, no travessão e saiu. O Guarani ainda teve duas chances. Aos 37 minutos num chute de longa distância de Reinaldo, espalmado por Mauro. Aos 42, num chute cruzado de Patrick, que assustou. O time do Guarani ainda reclamou um toque de mão de Diego dentro da grande área. O juiz interpretou como lance involuntário e não assinalou o pênalti reclamado. Nenhuma mudança no segundo tempo, mas o Santos começou mais no ataque. Aos oito minutos ampliou, quando Basílio entrou em velocidade pelo lado esquerdo na área e bateu cruzado. O goleiro Jean rebateu, mas Robgol completou quase em cima da linha: 2 a 0. Um pouco depois, saia o primeiro gol do América em Rio Preto sobre o Corinthians e a torcida santista não perdeu a chance de festejar, gritando em côro. "Ão, ão, ão...segunda divisão." A festa continuou no gramado do Brinco de Ouro. Aos 16 minutos, Diego cobrou escanteio com efeito e Robgol se antecipou à defesa na primeira trave para desviar de cabeça: 3 a 0. O técnico Emerson Leão resolveu poupar o time, tirando Claiton, Elano e Renato para as entradas, respectivamente, de Paulo Almeida, Preto e Lopes. As torcidas organizadas do Guarani deixaram o setor do tobogã e se dirigiram para a parte de trás do túnel do time. Não perdoaram a saída de Viola aos 23 minutos, substituído por Ludemar. "Vergonha, só me dá vergonha", cantavam os revoltados torcedores. Nesta altura, o Santos já levasse o jogo em ritmo de coletivo mesmo com a vibração da sua torcida. Do outro lado, o desespero do time e a revolta da torcida tomavam conta do Guarani, sem poder de reação. Na última rodada, o já classificado Santos só cumpre tabela contra o Ituano, na Vila Belmiro, dia 14. O eliminado Guarani se despede diante do Santo André, no ABC.

Agencia Estado,

07 de março de 2004 | 18h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.