Santos vive um clima conturbado

Crise da Vila Belmiro? Não é de hoje que a situação financeira é complicada, com notícias de atraso em pagamento de salários, cobranças judiciais e disputa na Justiça por direitos sobre jogadores, como aconteceu com Fumagalli, Deivid, Carlos Germano e outros. Para complicar, os muros do CT Rei Pelé amanheceram pichados nesta terça-feira, pedindo a saída do presidente Marcelo Teixeira. Além disso, o gerente-executivo de futebol, João Paulo Medina, não esteve à tarde no centro de treinamento, aumentando a especulação de que estaria deixando a Vila Belmiro. Mais: a Fifa estaria prestes a impor sanções contra o time, por conta ainda de um débito antigo com a Inter de Milão, relativo à compra do passe de Caio.Dentro de campo, porém, as notícias são boas. Nesta terça-feira, Oséas, William e Preto, que estavam contundidos, foram liberados para treinar pelo médico Carlos Braga. Os três estarão à disposição do técnico Celso Roth para o jogo de domingo, contra o Flamengo, na Vila Belmiro. "O Oséas está sentindo dificuldade de movimentar o braço esquerdo e é importante que treine para adquirir confiança", afirmou o médico do clube.Celso Roth ficou satisfeito com a liberação dos três jogadores e já pode contar também com Renatinho, que treina desde a semana passada, depois de ter se recuperado de uma contusão. "Se Oséas estiver em condições, vai jogar", garantiu o treinador. Se depender do jogador, sua escalação está garantida para a partida contra o Flamengo. "Ainda sinto uma dorzinha que incomoda no final do treino, mas o médico disse que é normal", disse ele.O treinador do Santos também gostou da folga no meio da semana. Ele já programou uma série de treinamentos específicos, como jogadas ensaiadas e de bola parada, que não tem podido realizar por causa do calendário cheio.

Agencia Estado,

19 de fevereiro de 2002 | 19h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.