Santos vive um dia de descontração

Os efeitos da vitória sobre o São Paulo estavam evidentes hoje no CT Rei Pelé. Um rachão descontraído movimentou os jogadores e ninguém reclamou de pagar o castigo pela derrota: os jogadores do time perdedor tiveram que carregar, de cavalinho, os vitoriosos. No treino de amanhã à tarde, o técnico Leão define a equipe para o jogo de quarta-feira contra o Guarani, na Vila Belmiro, e a única novidade deve ser a entrada do volante Daniel no lugar de Alexandre, contundido. Já Paulo Almeida deve iniciar os treinamentos com bola na quinta-feira. Na rodada do fim-de-semana, Santos e Cruzeiro venceram suas partidas, mantendo as posições na tabela e hoje os santistas demonstravam uma preocupação em fazer a lição de casa, vencendo todos os jogos e esperar um tropeço do Cruzeiro. Nesse sentido, Leão achou importante a vitória no clássico. "Nosso objetivo principal é sempre jogar pela vitória", disse ele, lembrando que o time "estava criando e sempre perdendo as oportunidades e perdeu dois jogos em condições desfavoráveis". Para ele, no sábado o time "se recuperou e fez uma boa apresentação". Quanto ao Cruzeiro, comentou que sempre diz que não pode se preocupar com os adversários. "Tenho que acompanhar e me preocupar com o bom andamento do Santos que, felizmente, tem acontecido. Em sua análise, "o Cruzeiro está em primeiro lugar porque tem uma boa equipe, com muito banco, que sabe usar o muito prestígio que tem". Para leão, "quando e se vai cair é uma circunstância de momento; o bom do futebol é que quando menos se espera as coisas acontecem". Mesmo não querendo pensar no Cruzeiro, os jogadores do Santos têm respondido sempre perguntas sobre o adversário. "Ganhamos, mas o Cruzeiro também ganhou", disse o meia Diego, satisfeito com a confiança que a vitória no clássico contra o São Paulo deu ao time. "Vencemos e convencemos, com um futebol bonito e objetivo". Com o moral que o time ganhou, ele entende que "agora, temos que continuar fazendo nossa parte, vencendo os jogos". Sua primeira preocupação é a partida de quarta contra o Guarani. Ele considera um confronto perigoso. "Teoricamente jogar contra adversários considerados mais fracos é mais fácil, mas tropeçamos justamente contra alguns desses times". Entende também que o fato de jogar em casa transfere a responsabilidade para o Santos: "Esse ônus é todo nosso, que temos de atacar e vencer a partida". O lateral-esquerdo Léo destacou a boa vitória do Guarani sobre o Coritiba. "É um motivo a mais para nos preocuparmos, pois o adversário vem embalado por esse grande resultado". Na luta para alcançar novamente o Cruzeiro, que abriu oito pontos de vantagens sobre os santistas, Léo disse que não pode mais haver vacilos. "Temos que encarar essa partida como mais uma decisão e esse tem de ser nossa posição até o final da competição". Para o lateral, o campeonato está se afunilando por conta das várias disputas travadas. "Há times lutando pelo título, outros para não cair e também aqueles que sonham em disputar a Libertadores da América". Por isso, acha que as atenções têm de ser redobradas. "Faltam doze rodadas até o fim e teremos doze decisões daqui para a frente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.