Maurício de Souza/Estadão
Maurício de Souza/Estadão

Santos volta a ganhar um jogo com gol de menino de 16 anos

Gabriel nem ia para o jogo, mas foi chamado de última hora porque colega foi cortado no vestiário

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2013 | 22h43

SANTOS - A história se repete: o Santos voltou a vencer, depois de seis jogos, nesta quarta, na Vila, contra um rival perigoso, o Grêmio, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, e com um gol de um garoto da base, que está na lista de futuras contratações do Barcelona e que tem a multa contratual estipulada em 50 milhões de euros (mais de R$ 160 milhões). É Gabriel, que nas categorias inferiores era chamado de Gabigol pela facilidade que tinha para balançar as redes. Ele foi descoberto pelo ex-capitão Zito numa peneira realizada no ABC, em 2008, quando ainda tinha 12 anos.

"Quando Deus quer, ninguém consegue mudar", disse o garoto, diante de vários microfones na Vila, após o jogo e o feito. Ele atribuiu ao destino o que aconteceu na partida. Gabriel não havia sido convocado para a concentração e passou a tarde em casa, ouvindo músicas e jogando videogame. "Só fiquei sabendo que ia para o jogo quando fui ao vestiário para cumprimentar os companheiros. Lá, me informaram do problema de Victor Andrade. Eu nem tinha levado nada, nem as chuteiras", disse.

Victor Andrade foi cortado do banco porque tomou um remédio para alergia e poderia ser pego no exame antidoping. "Fiquei triste por ele, porque é um amigo, meu companheiro de quarto nas concentrações", comentou Gabriel.

COISA DE DEUS 

Logo que entrou em campo, aos 23 minutos do segundo tempo, no lugar de Neilton, Gabriel fez sinais para a torcida pedindo apoio das arquibancadas. "Claudinei Oliveira mandou eu entrar e ir para cima dos marcadores". O garoto precisou de 14 minutos para mandar a bola para as redes, aproveitando cruzamento de Montillo, o craque do Santos. "Não sei nem o que falar. Vou guardar essa lembrança para o resto da minha vida. Figuei louco vendo a torcida e os companheiros comemorando o gol. A sensação é muito diferente porque gol no time da base é no campo do Centro de Treinamento Rei Pelé e o de hoje (nesta quarta) foi na Vila, com uma grande torcida".

Com a vitória por 1 a 0, o Santos vai precisar de um empate no jogo de volta, quarta-feira da próxima semana, na Arena Grêmio, para se classificar às quartas de final da Copa do Brasil, e eliminar o rival gaúcho. O técnico Claudinei Oliveira disse que, pela sequência de acontecimentos, imaginou que Gabriel faria o gol. "Comentei isso antes do jogo. Às vezes, o jogador chega em cima da hora, joga e faz o gol. A estrela dele brilhou, a minha também".

O técnico contou que Gabriel treinou em dois períodos na terça-feira com os jogadores que não concentraram para o jogo e que não ficaria no banco se não aparecesse no vestiário para dar força aos companheiros. "A vontade dele de estar com o grupo, mesmo não sendo convocado, fez com que fosse para o campo. Isso é coisa de Deus mesmo. Não tem outra explicação."

 

Tudo o que sabemos sobre:
sANTOS FCfutebolCopa do BrasilGabriel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.