Santos volta a negar saída de Robinho

Diego e Robinho nasceram juntos para o futebol e, ainda crianças, começaram a treinar no Santos. Em 2002, ano em que ganharam a chance de suas vidas na Vila Belmiro, formaram a dupla que empolgou os torcedores santistas e devolveu ao time a condição de campeão. Mas Diego joga agora no Porto e Robinho pode estar indo para o Benfica, o que faz prever para o ano que vem um confronto inédito entre os dois clubes rivais. O diretor-geral do Benfica esteve no Brasil, conversou com o empresário do atleta, Wagner Ribeiro, e a imprensa portuguesa já dá como certa a contratação do atacante, que será incorporado ao clube em janeiro, num negócio que seria fechado em torno de 20 milhões de euros. Para isso se tornar realidade, é preciso a concordância do presidente Marcelo Teixeira, que está irredutível e nem quer ouvir em falar nas propostas para tirar da Vila Belmiro o seu maior ídolo: "Já deixamos claro que não temos o menor interesse na negociação do jogador neste momento", disse ele, informando que fechou as portas para esse tipo de conversa e que já advertiu o procurador do atleta, Wagner Ribeiro, sobre isso. "Não admitimos qualquer hipótese de entendimento pelo menos até o final do ano e disse isso a todos os empresários e ao próprio procurador do atleta: quero concentração total para a disputa do Brasileiro e da Sul-Americana e não admito, como não admitirei, nenhuma interferência de empresários ou de procuradores". Marcelo Teixeira revelou que as negociações não só de Robinho, mas de todos os atletas do elenco, estão fechadas e prometeu retaliar se esse tipo de assunto continuar sendo tratado por procuradores e empresários e isso interferir no desempenho dos atletas nesse momento em que o time está lutando para readquirir a liderança do Brasileiro: "se eu souber que esses empresários e procuradores estão intervindo diretamente com os atletas, como foi feito, disse que, se isso se repetisse, ele não mais negociaria com o Santos". O presidente do Santos chamou o pai de Robinho para a reunião ocorrida na terça-feira. "Nós ouvimos dele que é do interesse da família e do jogador sua permanência no Santos para as disputas de 2005. Essa era a nossa esperança e é hoje a nossa garantia. Por isso, encerramos o assunto". Teixeira não quer ver o episódio Diego se repetindo. Ele tentou segurar o jogador até o último momento, chegando a cobrir a oferta salarial do Porto, mas havia o recebimento de metade do valor pago e o interesse do jogador em ir para a Europa. Com Robinho, o presidente santista espera que seja diferente e seu plano é ficar com a atacante até o final da Copa do Mundo de 2006, quando ele certamente estará mais valorizado. Sobre as informações vindas de Portugal, de que o Benfica estaria contratando o jogador por 20 milhões de euros e de que o Chelsea estaria na negociação, comprando os direitos do jogador, que seriam cedidos por um ano ao Benfica ou ao PSV antes de sua estréia no futebol inglês. "É tudo especulação", afirmou Marcelo Teixeira. Para ele, "se há algo de oficial, esqueceram de avisar o Santos. O clube tem que ter o conhecimento do assunto, a não ser que depositem a cláusula penal do atleta e façam um acordo com ele"; Lembrou que o Santos tem 60% dos direitos federativos do atacante. O valor da multa rescisória não é divulgado, mas está em torno de R$ 50 milhões. Há quem diga que os números batem, mas a moeda é o dólar. A situação de Robinho, segundo o presidente santista, é igual a dos demais jogadores. Por isso, todas as ofertas para tirar antecipadamente Léo, André Luís e Elano da Vila Belmiro foram recusadas. Hoje mesmo, ao chegar ao estádio para uma solenidade de homenagem aos ex-jogadores Pelé e Pagão, o empresário Toninho Silva o aguardava em companhia de um empresário. Ao ser abordado, Teixeira nem ouviu a proposta relativa a André Luís e disse: "o Santos não está interessado. O único interesse é ser campeão das duas competições que estamos disputando". "Existem inúmeras propostas, mas o Santos não admite negociação. Por isso, renovou os contratos de Robinho e Elano prorrogando o prazo para exatamente ter a segurança de que os atletas permaneceriam no clube", completou Teixeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.