Santos x Corinthians: jogos no Morumbi

Ao contrário do que se imaginava,nada vai mudar nas semifinais do Campeonato Paulista. Numareunião relâmpago de 15 minutos entre o presidente da FederaçãoPaulista de Futebol (FPF), Eduardo José Farah, e os presidentesdos quatro clubes classificados, Alberto Dualib (Corinthians),Marcelo Teixeira (Santos), Sérgio Carnielli (Ponte Preta) eRicardo Ribeiro (Botafogo), decidiu-se que os cartões amarelosnão serão zerados, que não haverá inscrição de novos jogadores ea permanência dos dois árbitros. Resolveu-se também que os dois jogos entre Corinthians eSantos serão realizados no Morumbi, enquanto Ponte Preta eBotafogo jogarão em seus estádios, Moisés Lucarelli e Santa Cruz respectivamente. As duas rodadas estão marcadas para osdomingos 6 e 13 de maio, com os dois jogos começando às 16horas. No caso do confronto "caipira", a partida de idaacontece em Ribeirão Preto. "Não haverá jogo no sábado nem quea tevê nos ofereça R$ 10 milhões", garantiu Farah, ressaltandoque a tendência é de que o Morumbi seja o local também dasfinais. No entanto, o dirigente admitiu que o veto à transmissãoda partida ao vivo para a cidade onde esse está acontecendoainda pode ser revisto. "Tudo vai depender de um acertofinanceiro que esteja de acordo com os interesses dos times",explicou. Se houver uma negociação, a federação já autorizou osclubes a conduzi-la. "A proposta da televisão vai ter de sermuito boa para nos convencer a liberar a transmissão", disseDualib. BARGANHA - Embora tenham tido o cuidado de manter odiscurso politicamente correto, na verdade os dirigentes deCorinhians e Santos saíram do encontro contrariados. Dualib, apedido do técnico Wanderley Luxemburgo, bem que tentou convencerseus adversários a permitir a reabertura das inscrições. Emtroca, barganhou dispondo-se a concordar com a anulação doscartões. "Uma mão lava a outra e as duas lavam o rosto",resumiu o presidente corintiano ao comentar sua frustradainvestida. Pelo lado santista, Teixeira afirmou que gostaria demandar um jogo na Vila Belmiro. No entanto, foi convencido pelosdemais de que o estádio não oferece as condições ideais, apesardas possíveis queixas que pode ouvir de jogadores e membros dacomissão técnica. "Nosso retrospecto mostra que nossodesempenho fora de casa tem sido melhor do que na Vila." Outro que gostaria de ver os cartões amarelos zeradosera Carnielle. Seu argumento é de que isso tornaria o espetáculomais atraente, uma vez que as quatro equipes contariam com suasforças máximas. "Mas abrimos mão para manter o regulamentooriginal", disse. Já o presidente do Botafogo lamentava que acapacidade do estádio ponte-pretano seja bem inferior ao de seuclube. "Certamente o número de torcedores adversários que forema Ribeirão será bem maior do que o de botafoguenses que irão aCampinas", estimou Ribeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.