Santos x Palmeiras: É ponta ou crise

Ansiedade e pressão vão marcar o clássico deste quarta-feira à noite, às 21h45, na Vila Belmiro. Palmeiras e Santos vivem momentos distintos no Campeonato Brasileiro. Enquanto o técnico Emerson Leão e seus comandados tentam, mas não conseguem esconder a expectativa por uma vitória no clássico, que vai colocar a equipe do Palestra Itália entre os líderes, na ?classe executiva? ? como Leão taxou os primeiros lugares ?, o atual campeão brasileiro está abalado pela derrota no Mineirão, por 3 a 0, frente ao Atlético-MG. Nelsinho Baptista e Antônio Lopes surgem como possíveis substitutos de Gallo em caso de novo resultado negativo.O clima nada amistoso entre os técnicos esquenta o clássico. Gallo não vai cumprimentar Leão. Quando assumiu o time da Vila, o treinador afirmou que Leão teria ventilado uma possível volta ao Santos. Nesta terça, Gallo não mudou sua fisionomia ao ouvir pelo menos quatro perguntas sobre suas rixas com o técnico do Palmeiras. Manteve-se de cabeça erguida e ironizou publicamente suas desavenças com o rival. Em nenhum momento citou o nome de Emerson Leão. ?Estou preocupado com o Palmeiras, que tem uma ótima equipe e vem muito bem no campeonato?, foi sua resposta padrão sobre o assunto, repetida algumas vezes no CT. ?O Palmeiras tem um bom time e vive um bom momento.?Leão voltou a repetir o que disse na época da polêmica. ?Eu crio boi?, referindo-se às suas fazendas de agropecuária. Depois de um início ruim, quando ocupou a 16.ª posição, o Palmeiras não aceita falar em favoritismo. ?O grupo demonstra desejo de ser uma equipe de ponta, mas precisa continuar sonhando alto?, disse Leão. ?O Palmeiras está na medida certa. Ficar na classe executiva custa mais caro. Precisamos saber nos comportar neste momento da competição.? O meia Pedrinho, que não sabe se vai começar jogando o clássico, concorda com a seriedade do treinador. ?Sentimos isso (o favoritismo), mas temos de deixar de lado e seguir com o nosso trabalho.? Leão não poderá repetir pela terceira vez a escalação da equipe. Fabiano e Marcinho Guerreiro cumprem suspensão. Para a lateral-esquerda, a juventude de Michael e a experiência de Baiano são as opções. No meio-de-campo, Roger fará dupla com Correa. Diego Souza, que chegou a treinar na lateral-esquerda, deverá ser mantido no meio. Se Leão optar por esta formação, Pedrinho continua como no banco de reservas.Do lado do Santos, Gallo cobra muito e exige reação. ?O problema não é técnico, nem tático. É falta de atitude. Perdemos para o Atlético porque o time não jogou nada.? Gallo escalou três volantes: Zé Elias, Bóvio e Fabinho. Ricardinho será o armador. No ataque, Frontini e Geílson devem formar a dupla.Retrospecto - Na história do duelo na Vila Belmiro, o Palmeiras, que não perde no campo do adversário desde 2001, leva vantagem. Em 85 jogos, o time do Palestra Itália venceu 39 vezes, perdeu 33 e empatou 13. No ano passado, com Vágner Love no ataque, o Palmeiras venceu por 4 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.