São Bento mantém Rincón, mas troca de presidente

O mau começo do São Bento no Campeonato Paulista provocou um fato incomum no futebol: em vez de cair o técnico, foi o presidente, João Câncio Pereira, que renunciou ao cargo e foi substituído pelo vice-presidente, o empresário Osíris Diniz. A carta de renúncia foi apreciada por conselheiros e diretores, na segunda-feira à noite, no Salimas Park Hotel. A reunião foi conduzida pelo presidente do conselho deliberativo Flávio Amary. Embora tenha alegado ?motivos pessoais? para deixar o cargo, Câncio não escondeu sua preocupação com o excesso de poder do técnico. ?Ele é centralizador?, resumiu. O ex-presidente estava isolado pela diretoria e pelo conselho deliberativo, mas tinha posições bem definidas para o clube. Considerava a folha de pagamento, de R$ 200 mil, muito alta. Na opinião dele, deveria ser ?no máximo? de R$ 120 mil. Para Câncio, os jogadores deveriam ter um teto salarial de R$ 5 mil, mas cinco ou seis estão recebendo entre R$ 10 e R$ 15 mil. A preocupação do ex-dirigente se justifica pelo fato do time não ter patrocinador e depender das receitas vindas da televisão - R$ 800 mil em quatro parcelas - e das arrecadações de jogos. Pelo menos por enquanto, Rincón está garantido no cargo. Nesta quarta-feira, seu time enfrenta o América, em São José do Rio Preto, e domingo pega a Ponte Preta, em Campinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.