São Caetano aliviado e com uma dúvida

Bem mais aliviado do que na semana passada, quando sofreu até uma pressão inusitada de sua pacata torcida (que chegou a pichar muros do estádio), o São Caetano espera surpreender o Santos, nesta terça-feira à noite, na Vila Belmiro. O time só tem uma dúvida no gol: Sílvio Luís, com dores lombares, pode ceder sua vaga para Luís. O São Caetano é o 15.º colocado, com 36 pontos, ainda preocupado em se afastar da zona de rebaixamento. A presença do goleiro de 28 anos é considerada importante por sua experiência. Ele é o atleta que mais vestiu a camisa do Azulão, com 417 participações. Mas no último jogo sentiu fortes dores nas costas e deixou o gramado aos 22 minutos no jogo em que o São Caetano venceu o Atlético Mineiro, por 3 a 1, quebrando um jejum de nove jogos sem vitórias dentro do Campeonato Brasileiro. O técnico Jair Picerni não teve tempo de trabalhar o grupo, mas espera que o time tenha a mesma disposição e mantenha a força na marcação. "Não é fácil suportar a pressão lá na Vila. Precisamos marcar forte, mas também ter consciência com a bola nos pés para atacar com qualidade", acredita o técnico. Ele ainda não contará com o meia-atacante Edilson, sentindo dores no púbis, assim vai manter o esquema 4-4-2, com Márcio Richardes, que teve uma boa atuação e até marcou um dos gols no sábado.O retrospecto entre ambos é marcado pelo equilíbrio. Em 15 jogos disputados, o Santos venceu seis, empatou quatro e perdeu cinco. Este jogo marca o reencontro do técnico Nelsinho Baptista com o São Caetano, o seu último clube no Brasil antes de se transferir para o futebol japonês, em 2003.

Agencia Estado,

03 de outubro de 2005 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.