São Caetano ansioso pela Libertadores

A partida desta terça-feira, às 19h30, no Estádio Anacleto Campanella, contra a equipe mexicana do Cruz Azul, pode não ser a mais importante, mas certamente é a que está gerando mais expectativa entre os jogadores do São Caetano. Com apenas 11 anos de fundação, o time do ABC Paulista estréia na Taça Libertadores da América, situação inédita para vários clubes mais tradicionais do futebol brasileiro. Por isso, além de fortalecer os treinamentos, a comissão técnica busca, como já tornou-se tradição entre o grupo, reforçar o aspecto psicológico. Para muitos atletas, o jogo desta terça-feira será o primeiro compromisso internacional de suas carreiras. Apenas três jogadores já participaram de uma Libertadores. São eles o meia Aílton, quando jogava pelo São Paulo, o volante Simão, pelo Inter-RS, e o atacante Magrão, na época que defendia o Palmeiras. Além desses, atletas mais experientes, como o meia Esquerdinha, que teve passagem rápida pelo futebol russo, atuando por dois meses no Spartak, de Moscou, ajudam a comissão técnica a tranqüilizar os mais novatos. "O segredo é muita conversa, mostrar para eles que é mais um jogo, como qualquer outro", observou. "Claro que a ansiedade é natural no ser humano. Então nesses casos precisamos aprender a controlá-la." Volta - Na verdade, o técnico Jair Picerni quer resgatar a filosofia do "de bem com a vida". Com essa linha de raciocínio, ele conseguiu unir o grupo durante o Campeonato Paulista da Série A2 e a Copa João Havelange, quando sagrou-se campeão e vice-campeão, respectivamente. Hoje, durante a reapresentação dos atletas, ele enfatizou esse ponto. "Vamos jogar numa boa, com alegria, como sempre fizemos", afirmou. Ele já aproveitou para confirmar a presença do atacante Magrão no time titular, ao lado de Wagner. Desde domingo, quando o time empatou com a Portuguesa por 1 a 1, pelo Campeonato Paulista, e a torcida mostrou-se insatisfeita com o rendimento do jogador, que acabou sendo substituído por Sinval (autor do gol de empate), a vaga no ataque parecia aberta. "Temos 25 jogadores e todos estão preparados para jogar", garantiu o treinador. Ainda nesta semana o clube deve anunciar mais dois reforços, pois Picerni planeja trabalhar com 28 atletas. Esperança - Depois de surpreender os grandes clubes do futebol brasileiro com uma estratégia ousada, que busca o ataque a todo momento, o São Caetano conta com o fato de ser desconhecido internacionalmente para quebrar a série de duas vitórias consecutivas dos mexicanos. "No começo, aqui no Brasil, os times grandes sempre vinham para cima de nós, o que facilitava a nossa performance. Agora que somos conhecidos, isso mudou. Espero que os mexicanos não tenham sido avisados e nos enfrentem como favoritos", disse o meia Adãozinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.