São Caetano desiste da Justiça comum

Os dirigentes do São Caetano não deverão recorrer à Justiça comum, como chegaram a ameaçar anteriormente, para tentar recuperar os 24 pontos perdidos na audiência do STJD, terça-feira à noite, no julgamento do caso Serginho."Não há nenhuma possibilidade neste momento de o clube acionar a justiça comum", informou a assessoria de imprensa do São Caetano. Além dos pontos perdidos, o presidente Nairo Ferreira de Souza e o médico Paulo Forte foram suspensos por 2 e 4 anos, respectivamente.Enquanto isso, o advogado João Zanforlin disse que o clube ainda não desistiu de encontrar algum fato novo no caso que permita ao São Caetano impetrar o "recurso de revisão" e causar um terceiro julgamento ainda na justiça desportiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.