São Caetano e Internacional empatam

Nem a formação ofensiva, com três atacantes, serviu para reabilitar o São Caetano que empatou com o Internacional por 1 a 1, nesta terça-feira à noite, no Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP). Apesar do domínio de bola superior do time gaúcho, o placar acabou sendo justo, com os gols sendo marcados no segundo tempo - com Márcio Mixirica e Rafael Sobis. O time paulista, com 37 pontos, ainda é o 16.º colocado, enquanto o Inter, com 53 pontos, se mantém na terceira posição.O esquema tático 3-4-3 e a disposição de atacar desde o início por parte do São Caetano até que assustaram o Internacional. Mas o time gaúcho adiantou a marcação, diminuiu os espaços no meio de campo e criou as melhores chances de gols. Esta postura caiu como uma ?ducha fria? no time da casa, que ainda tentou usar uma artimanha: molhar bem o gramado para explorar os chutes de longa distância. "A gente já está acostumado. Todos jogadores entraram com chuteira de cravo alto", disse o meia gaúcho Tinga.Com Fernandão fazendo a função de pivô, as chances foram aparecendo para o Inter, que quase abriu o placar aos 8 minutos num chute de Rafael Sobis, que parou na trave e depois nas costas do goleiro Sílvio Luís bastante assustado. O São Caetano só ameaçou num lance casual, quando a bola tocou nas pernas de Dimba após o cruzamento forte de Triguinho. A bola saiu mascada, tocou na trave direita de Clemer e saiu. Era um exemplo da má fase do atacante, que não marca há dois meses. "Jogamos bem, mas não podemos perder tantos gols", afirmou, visivelmente irritado, o técnico Muricy Ramalho.No segundo tempo, o Inter sentou na pele a máxima do futebol de "quem não faz, toma". O azarado Dimba ficou nos vestiários para a entrada de Márcio Mixirica que, logo na sua primeira chance, marcou. Ele recebeu passe de Edilson, entrou na área e chutou cruzado. Por sorte, a bola passou entre as pernas de Jorge Wagner e entrou no canto direito de Clemer, aos 12 minutos. Três minutos depois, assustado, o time gaúcho quase sofreu o segundo gol num chute de fora da área de Edilson, que tocou de leve no travessão.O recuo de Edilson, que passou a articular as jogadas e a movimentação de Somália e Mixirica começavam a confundir a defesa gaúcha. Se era perigoso nos contra-ataques, o São Caetano sofria com o bom toque de bola do Inter, que ameaçou com chutes de longa distância. Aos 25 minutos, o técnico Jair Picerni reforçou a marcação com a entrada do volante Germano no lugar de Claudecir, bastante cansado. Dez minutos depois Paulo Miranda reforçou a marcação entrando na vaga do atacante Somália, enquanto Muricy Ramalho tirou do Inter o volante Perdigão para a entrada do atacante Gustavo. Era uma tentativa do tudo ou nada. E deu certo, aos 34 minutos, quando Fernandão disparou um chute forte, Silvio Luís rebateu e Rafael Sobis pegou o rebote com a perna esquerda. Enfim, o placar estava justo. "Para mim não, porque tivemos muito mais chances", retrucou Muricy Ramalho, que deixou o gramado inconformado.No próximo domingo, o São Caetano vai enfrentar a Ponte Preta, em Campinas, enquanto o Internacional receberá o Vasco da Gama, no Beira-Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.