São Caetano estuda próximo adversário

Passadas as emoções pela classificação às semifinais da Copa Libertadores da América, o São Caetano agora planeja os próximos confrontos pensando no título sul-americano. Para o técnico Jair Picerni "não há coisa mais importante par a um profissional do que conquistar a Libertadores." Este é o principal argumento usado pela comissão técnica para seduzir os jogadores, que decidiram nos pênaltis as duas últimas fases, diante do Universid Católica, do Chile, e do Peñarol, do Uruguai, terça-feira. Após a vitória por 2 a 1, o Azulão venceu o adversário nas penalidades, por 3 a 1. "Pênalti também faz parte do regulamento", alertou Picerni, que aguarda apenas o próximo adversário, que sairá do confronto entre dois times mexicanos: América e Morelia. Estes times se enfrentam, nesta quinta-feira, e será assistido por Fred Smânia, observador oficial do Azulão, e homem de confiança do técnico. Apesar das dificuldades enfrentadas pelo São Caetano nos últimos dois confrontos, a expectativa é de que o próximo adversário será do mesmo nível. "Respeitamos a tradição de todos, mas colocamos em prática a nossa filosofia de trabalho. Ela é que está vencendo estes desafios", completou o treinador. Os jogadores foram dispensados até dia 27 de junho. Mesmo porque os dois jogos semifinais serão disputados somente após a Copa do Mundo, nos dias 10 de julho, em São Caetano, e dia 17, no México. "Este descanso será benéfico para a recuperação física e mental dos jogadores", avaliou o fisicultor Flávio de Oliveira. O presidente Nairo Ferreira de Souza confirmou que em caso de chegar à final da Libertadores, o São Caetano não poderá decidir o título no estádio Anacleto Campanella. O regulamento exige um estádio com capacidade para 40 mil torcedores. Pacaembu e Morumbi são as opções do clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.