São Caetano já vislumbra o Mundial

Adãozinho contra Zidane. Somália em uma briga de artilheiros com Raúl e Figo. Russo tentando conter as investidas de Roberto Carlos. Tudo isso em pleno estádio de Yokohama, o mesmo onde a seleção brasileira conquistou o pentacampeonato mundial. Cenas inusitadas que, mesmo nos sonhos mais mirabolantes dos jogadores do São Caetano, estão prestes a acontecer. Basta que o time do ABC paulista consiga um simples empate contra o Olimpia, do Paraguai, na quarta-feira, no Pacaembu, para se sagrar campeão da Copa Libertadores da América e enfrentar o Real Madrid na final do Mundial Interclubes.No primeiro jogo, em Assunção, os brasileiros venceram por 1 a 0.Mas o que os atletas do jovem clube paulista (tem apenas 12 anos) acham da possibilidade de duelar contra o "clube do século", que conta em seu grupo com algumas das maiores estrelas do futebol mundial? "É a realização de um sonho, não tenha dúvida", admitiu o atacante Somália."Mas se chegarmos lá, não vamos nos intimidar. O Real Madrid vai ter de provar que é tudo isso ganhando da gente."Modéstia à parte, o artilheiro do São Caetano não esconde de ninguém que, mesmo durante a concentração para a partida decisiva contra os paraguaios, pensa, sim, na hipótese de enfrentar uma equipe da tradição do Real Madrid. Para Somália, se trata de uma oportunidade que, talvez, nenhum deles volte a ter. "Sonho com isso quase todas as noites", afirmou.Quanto ao fato de ter do outro lado jogadores reconhecidos em todos os cantos do mundo e que, sozinhos, ganham salários que superam a folha de pagamento do clube brasileiro em várias temporadas, Somália procura desdenhar. Para ele, os adversários não passam de atletas como quaisquer outros, que, por alguma razão, conseguiram uma projeção maior e a oportunidade de jogar em um time com o espanhol. "São gente como a gente e o negócio é partir para cima deles", garantiu.Pés no chão - Ao contrário de Somália, que chegou ao São Caetano para disputar a atual temporada, o experiente meia Adãozinho adota um discurso mais ponderado. Quando perguntado sobre a expectativa de enfrentar um dos maiores clubes do mundo, sua resposta é imediata. "É verdade, isso pode acontecer. Porém, é preciso perguntar primeiro como vai ser o jogo contra o Olimpia na quarta-feira", disse. "Mas quando eu jogava na Suíça, em 1999, disputei um torneio contra muitos jogadores da seleção da França que tinha vencido a Copa do Mundo de 98. Então isso (jogar contra estrelas) não é novidade para mim." E pela reação do técnico Jair Picerni, tudo indica que o discurso de Adãozinho é o que mais se aproxima do seu. O treinador brasileiro também admite que falar de um confronto entre São Caetano e Real Madrid é um "sonho". Contudo, alguns cuidados devem ser tomados para evitar que essa expectativa prejudique o grupo. "No momento precisamos nos concentrar em vencer a Libertadores. Uma coisa de cada vez."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.