São Caetano reclama da arbitragem

Acuado por duas derrotas consecutivas, o São Caetano vai viver uma semana de tensão antes do jogo contra a líder Ponte Preta, sábado à noite, no Estádio Anacleto Campanella. Com 14 pontos, o Azulão ocupa apenas a 11.ª posição, bem distante do que era planejado pela diretoria. A saída, de momento, é concentrar as críticas sobre as arbitragens. O saldo da derrota de 2 a 1 para o Internacional, em porto Alegre (RS) foi uma série de reclamações contra a arbitragem do carioca Willian Marcelo Néri (RJ), que teria, segundo o técnico, anulado um gol legítimo de Pingo, aos 42 minutos do segundo tempo e que representaria o empate no Beira Rio. "Essa é a terceira vez que o nosso time é prejudicado pela arbitragem, algo precisa ser feito para que isso acabe. Poderíamos estar em uma posição bem mais confortável, não fossem os graves erros contra nós", discursou o técnico, referindo-se aos jogos contra o Figueirense e Santos. O técnico Estevam Soares não esconde a preocupação, mas acha que os altos e baixos do time podem ser justificados "pelo alto número de mudanças dentro do elenco". Por outro lado, ele tem recebido críticas pelas constantes mudanças do time, não só pelo aspecto técnico como também no aspecto tático. "São alterações, quase sempre, necessárias, ou por cartões ou contusões", justifica Soares. As boas notícias é que para derrubar a Ponte Preta, o Azulão contará com os retornos do zagueiro Thiago, que cumpriu suspensão automática, e com Paulo Miranda, que cumpriu quatro jogos da punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desport iva (STJD) do Rio de Janeiro. O elenco ganhou folga na segunda-feira e reinicia os trabalhos nesta terça-feira cedo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.