São Gabriel ganha do Palmeiras por 2 a 1

Emoção, faltas e catimba não faltaram na derrota do Palmeiras para o São Gabriel, por 2 a 1, nesta quarta-feira, em São Gabriel (RS). E, não fosse um pênalti perdido por Magrão aos 52 minutos do segundo tempo, o time de Jair Picerni poderia ter saído com empate. Com o resultado, o Palmeiras precisa vencer o São Gabriel no dia 7, no Parque Antártica, por 1 a 0 ou conseguir uma vantagem de dois gols para se classificar para a próxima fase. Os problemas palmeirenses começaram logo aos 3 minutos. Alê Meneses aproveitou o passe vindo pela direita. A defesa do Palmeiras acompanhou apática e não evitou o primeiro gol do São Gabriel.O time paulista, apesar da forte marcação do São Gabriel, até criou oportunidades, sem sucesso. Mas a situação piorou mesmo aos 30 minutos. Alê Meneses recebeu passe pela direita. A apatia da defesa palmeirense foi a mesma do primeiro gol e o resultado também: 2 a 0 para os gaúchos.O intervalo não foi menos complicado. O médico Maurício Bezerra teve de costurar quatro pontos no joelho do volante Magrão à luz de velas, por falta de energia no vestiário.No segundo tempo, Jair Picerni fez três substituições: saíram Pedrinho, Muñoz e Baiano para a entrada de Adriano Chuva, Rafael Marques e Elson.Adriano Chuva não fez gol, mas a sua presença serviu, ao menos, para causar a expulsão do lateral Alex. Mas não foi o suficiente para acabar com a catimba gaúcha ou mudar a perspectiva do jogo, apesar de algumas boas oportunidades para o Palmeiras.Porém, quando tudo parecia perdido, o time de Picerni contou com a sorte. Aos 44 minutos, Darzoni tentou desviar bola na área e marcou contra - um gol importante em uma competição em que cada gol marcado fora de casa vale por dois.Mas a catimba gaúcha jogou contra o São Gabriel, já que o árbitro resolveu dar 7 minutos de acréscimos. Aí, aos 50, Pansera foi com o braço na bola dentro da área. Pênalti que Magrão cobrou e Altieri defendeu.

Agencia Estado,

18 de março de 2004 | 00h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.